Projeto de lei propõe prorrogação de prazo para adesão ao CAR

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Tramita no congresso o projeto de Lei nº 36/2021, de autoria do deputado Zé Vitor (PL-MG), que prorroga o prazo para pequenos produtores rurais aderirem ao Cadastro Ambiental Rural (CAR).

Se aprovada, a nova legislação permitirá que a inscrição no CAR se dê até dia 31 de dezembro de 2022. Na legislação vigente, o prazo estabelecido para inscrição no CAR daqueles que buscam os benefícios do Programa de Regularização Ambiental (PRA) expirou em 31/12/2020.

A proposta se justifica pelas dificuldades impostas pela pandemia, principalmente aos pequenos produtores que podem ter experimentados alguns empecilhos para apresentação dos documentos necessários ao CAR. Também como justificativa levantou-se o fato de ser um incentivo para os entes federativos e a União estabelecerem de forma satisfatória seus programas de regularização ambiental, cujo resultado é inferior àquele
esperado.

É importante ressaltar que a proposta de dilatação do prazo refere-se
exclusivamente às pequenas propriedades e posses familiares, que são aquelas exploradas mediante o trabalho pessoal do agricultor familiar e empreendedor familiar rural, incluindo os assentamentos e projetos de reforma agrária, nos termos do art. 3º, V da Lei nº 12.651/2012 (Código Florestal).

Destaca-se que a inscrição no CAR é obrigatória e não possui prazo determinado. O prazo de 31/12/2020 (cujo projeto de lei visa alterar) refere-se à obrigatoriedade de cadastro para aqueles que pretendem aderir ao Programa de Regularização Ambiental (PRA).

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais

Empresa é condenada em danos morais e materiais por não ter afastado empregada gestante do trabalho presencial, durante a pandemia

Tribunal Regional da 11ª Região reconhece culpa recíproca entre empregadora e trabalhadora gestante, vítima fatal da COVID-19, que apesar de ter sido imprudente ao não usar máscara protetiva em diversas situações, foi obrigada a executar atividades laborais presenciais, mesmo diante da legislação que proíbe tal situação, contraindo, assim, o vírus. Destaca-se que há Projeto de Lei em trâmite no Senado Federal com o objetivo de regulamentar o assunto de forma mais adequada.

Leia mais
discriminatória

Dispensa imotivada de portadora de câncer foi reconhecida como discriminatória pelo TRT da 2ª Região

A 15ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, reconheceu como dispensa de caráter discriminatório, uma rescisão de contrato de trabalho na modalidade imotivada de uma trabalhadora portadora de câncer, cujo tratamento envolveu cirurgia e quimioterapia e um longo período de recuperação, e que teve o contrato rescindido logo após o retorno do afastamento previdenciário, que se prolongou por mais de 2 (dois) anos.

Leia mais