Da rescisão dos contratos de trabalho durante a pandemia

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Importante destacar que a CLT conceitua como força maior: “todo acontecimento inevitável, em relação à vontade do empregador, e para a realização do qual este não concorreu, direta ou indiretamente”. Ainda, tem-se que não ocorrerá a força maior quando as condições econômicas e financeiras da empresa não forem atingidas de forma relevante, bem como quando o empregador contribuir para o evento.

Dentro deste contexto, as empresas que foram gravemente afetadas pela
pandemia podem rescindir contratos de trabalhos sob o fundamento de força- maior, e assim terem redução nas verbas rescisórias a serem pagas ao trabalhador (aviso prévio e multa de FGTS com redução de 50%).

A cautela a ser observada se refere à prova de existência de impacto substancial e não só mera alegação de queda na lucratividade ou prejuízo diverso. A necessidade de fechamento da empresa ou de uma filial/setor, a extinção de um cargo/função em virtude da nova realidade da empresa, dentre outras situações, demonstrariam a força maior, por exemplo.

Decisões recentes do TRT do Espirito Santo corroboram com este entendimento, conforme se observa, inclusive, na matéria disponibilizada pelo site @migalhas através do link: https://migalhas.uol.com.br/quentes/340249/covid-19-trabalhadoras-nao-conseguem-afastar-demissao-por-forca-maior

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais

Empresa é condenada em danos morais e materiais por não ter afastado empregada gestante do trabalho presencial, durante a pandemia

Tribunal Regional da 11ª Região reconhece culpa recíproca entre empregadora e trabalhadora gestante, vítima fatal da COVID-19, que apesar de ter sido imprudente ao não usar máscara protetiva em diversas situações, foi obrigada a executar atividades laborais presenciais, mesmo diante da legislação que proíbe tal situação, contraindo, assim, o vírus. Destaca-se que há Projeto de Lei em trâmite no Senado Federal com o objetivo de regulamentar o assunto de forma mais adequada.

Leia mais
discriminatória

Dispensa imotivada de portadora de câncer foi reconhecida como discriminatória pelo TRT da 2ª Região

A 15ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, reconheceu como dispensa de caráter discriminatório, uma rescisão de contrato de trabalho na modalidade imotivada de uma trabalhadora portadora de câncer, cujo tratamento envolveu cirurgia e quimioterapia e um longo período de recuperação, e que teve o contrato rescindido logo após o retorno do afastamento previdenciário, que se prolongou por mais de 2 (dois) anos.

Leia mais