Adiado o prazo de registro de recebíveis de cartão

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

O Conselho Monetário Nacional (CMN) e o Banco Central (BCB) adiaram, mais uma vez,  o prazo para entrada em vigência da regulação sobre o registro e negociação de recebíveis de arranjos de pagamentos (Recebíveis de Cartão).

O prazo que teria início em 17/2 foi adiado para 7/6, e o principal objetivo é permitir que as registradoras e outras entidades credenciadoras e Instituições financeiras ajustem suas plataformas.

Tal adiamento nos traz alguns questionamentos: Será que o registro da CPR passará por um adiamento semelhante? Lembrando que atualmente é necessário o registro da Cédula em registradora somente para títulos com valor superior a 1 milhão de reais e que a partir de 1/7 passará a ser exigido o registro para CPRs com valor superior a 250 mil reais.

Outro questionamento que fica é: Será que vão adiar o prazo para disponibilização do sistema de consulta das CPRs registradas? O sistema de informações relativas às CPRs registradas, estará disponível para consultas online a partir de 1/7, de acordo com a Resolução 52 do BCB.

Enfim, muito mais dúvidas do que certezas sobre o assunto, mas até o momento ainda não temos notícias sobre a ferramenta de consulta ou até mesmo sobre a interoperabilidade.

Ficamos no aguardo para ver os próximos passos.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais

Empresa é condenada em danos morais e materiais por não ter afastado empregada gestante do trabalho presencial, durante a pandemia

Tribunal Regional da 11ª Região reconhece culpa recíproca entre empregadora e trabalhadora gestante, vítima fatal da COVID-19, que apesar de ter sido imprudente ao não usar máscara protetiva em diversas situações, foi obrigada a executar atividades laborais presenciais, mesmo diante da legislação que proíbe tal situação, contraindo, assim, o vírus. Destaca-se que há Projeto de Lei em trâmite no Senado Federal com o objetivo de regulamentar o assunto de forma mais adequada.

Leia mais
discriminatória

Dispensa imotivada de portadora de câncer foi reconhecida como discriminatória pelo TRT da 2ª Região

A 15ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, reconheceu como dispensa de caráter discriminatório, uma rescisão de contrato de trabalho na modalidade imotivada de uma trabalhadora portadora de câncer, cujo tratamento envolveu cirurgia e quimioterapia e um longo período de recuperação, e que teve o contrato rescindido logo após o retorno do afastamento previdenciário, que se prolongou por mais de 2 (dois) anos.

Leia mais