Das assinaturas digitais via Portal dos Cartórios de Registros de Imóveis

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Seguindo o caminho para transição do papel para o digital, destaca-se o Portal dos Cartórios de Registros de Imóveis, oferecendo serviços como coleta de assinaturas, digitalização de documentos originalmente formalizados em papel, pedido de registro de documento já assinado fisicamente ou de registro mediante assinatura eletrônica.

A validade do ato praticado é atestada por um formulário padronizado com os dados do registro. A segurança jurídica do ato deixa de se vincular a um papel e passa a se vincular a um sistema, colocando a tecnologia a serviço da necessidade jurídica das partes.

Não há impedimento para a admissibilidade de documentos assinados eletronicamente por Cartórios de Títulos e Documentos e Cartórios de Registros de Imóveis, tanto por assinaturas obtidas por certificados reconhecidos pelo ICPBrasil quanto por sistemas que se enquadram na MP 2.200-2/2001. Neste segundo cenário, o reconhecimento da validade da chave adotada cabe às partes.

Destaca-se ainda a possibilidade da transição de um ato iniciado no meio físico para o meio eletrônico. Neste caso, o documento parcialmente formalizado será digitalizado no Portal dos Cartórios de Registros de Imóveis para receber as demais assinaturas pendentes, por meio eletrônico.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Depressão

Depressão não é reconhecida como doença de origem ocupacional pelo TST

O Tribunal Superior do Trabalho reverteu decisão que havia considerado a responsabilidade objetiva de uma companhia aérea e reconhecida como doença de ordem ocupacional, o quadro depressivo desenvolvido pela trabalhadora enquanto exercia o cargo de comissária de bordo. A decisão se sustentou nas provas contidas nos autos, uma vez que o laudo pericial específico não identificou o nexo de causalidade entre a doença alegada e as atividades desempenhadas, muito menos a incapacidade laboral da trabalhadora.

Leia mais
Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais