Do peticionamento eletrônico em processos físicos

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

A partir de segunda-feira, 27/07/2020, fica autorizado o peticionamento eletrônico em processos físicos que tramitem no Estado de São Paulo.

Aos que não são da área jurídica, o processo eletrônico foi instituído através da Lei nº 11.419/2006, ano em que se iniciou a implantação do processo digital no TJ/SP, maior tribunal da América Latina. Em 2016, o TJ/SP já estava 100% digital, ou seja, todas as novas ações judiciais ou recursos são distribuídos e correm em formato eletrônico.

No entanto, devido a morosidade de nosso judiciário, ainda persistem ações judiciais antigas, com processos físicos, ou seja, toda a documentação é em papel e deve ter seu protocolo físico.

É um grande avanço permitir o peticionamento eletrônico em processos físicos, de forma a atender as medidas de distanciamento social e agilizar o processamento e apreciação das petições.

Destaca-se que vale para petições intermediárias, que servem para dar andamento, tomar providências, ou atender a alguma finalidade solicitada pelo juiz, em ações judiciais que já estão em curso. Assim, o protocolo de petição intermediária não gera um novo número de processo, estando inserida em processo já em andamento.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Projetos sociais

Projetos sociais nas empresas: impactos e alternativas de regulamentação

Muitas empresas exercem ou querem exercer ações sociais de cunho filantrópico, utilizando dos seus próprios serviços e produtos para irem além dos aspectos econômicos, com projetos que beneficiam o meio ambiente, agricultores e trabalhadores rurais e que impactam diretamente comunidades e instituições que necessitam de amparo.
Contudo, apesar das práticas sociais estarem ligadas aos valores de determinadas empresas, a sua estruturação requer bastante cautela e apoio jurídico para que não haja impactos trabalhistas, empresariais e tributários que possam, muitas vezes, desacelerar ou até mesmo impossibilitar esse compromisso com a sociedade.

Leia mais
Marco Legal

Câmara aprova MP que cria marco legal da securitização

Foi aprovada pela Câmara dos Deputados no dia 15 de junho de 2022, a medida provisória editada em março pelo governo federal que cria, atualiza e define regras para securitização dos direitos creditórios (conversão de créditos a receber em títulos a serem comercializados) e, também, cria a Letra de Risco de Seguro.

Leia mais