Diminui a participação feminina na tomada de crédito rural

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Com o passar dos anos o campo vem se modernizando e diminuindo as barreiras de gênero. O modelo de fazenda gerida pelos patriarcas está gradativamente sendo substituído por mulheres, que cada vez mais, assumem elos da cadeia do agronegócio.

Dados do censo agropecuário de 2017 mostram que grandes propriedades rurais passaram a ser comandadas por mulheres, em comparação ao censo anterior de 2006. Atualmente as mulheres lideram em 19% de todas as propriedades, em comparação aos 13% apontados pelo censo de 2006.

No entanto, a diferença entre o desembolso de crédito rural para produtores e produtoras se aprofundou nos últimos anos. Conforme dados do Bacen, o valor médio de operações contratadas por homens foi o dobro que a média de operações contratadas por mulheres na safra 18/19, representando R$ 80.614,00 para homens, e R$ 40.336,00 para mulheres.

Faz-se notar que apesar do aumento da participação de mulheres na cadeia produtiva e de valor do agronegócio ainda há muito o que fazer para mitigar as desigualdades e criar um ambiente participativo para todos os gêneros.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Projetos sociais

Projetos sociais nas empresas: impactos e alternativas de regulamentação

Muitas empresas exercem ou querem exercer ações sociais de cunho filantrópico, utilizando dos seus próprios serviços e produtos para irem além dos aspectos econômicos, com projetos que beneficiam o meio ambiente, agricultores e trabalhadores rurais e que impactam diretamente comunidades e instituições que necessitam de amparo.
Contudo, apesar das práticas sociais estarem ligadas aos valores de determinadas empresas, a sua estruturação requer bastante cautela e apoio jurídico para que não haja impactos trabalhistas, empresariais e tributários que possam, muitas vezes, desacelerar ou até mesmo impossibilitar esse compromisso com a sociedade.

Leia mais
Marco Legal

Câmara aprova MP que cria marco legal da securitização

Foi aprovada pela Câmara dos Deputados no dia 15 de junho de 2022, a medida provisória editada em março pelo governo federal que cria, atualiza e define regras para securitização dos direitos creditórios (conversão de créditos a receber em títulos a serem comercializados) e, também, cria a Letra de Risco de Seguro.

Leia mais