Protesto indevido de cheque não gera indenização por danos morais, decide STJ

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

A 4ª Turma, alinhando-se com o posicionamento da 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça, pacificou a jurisprudência no sentido de que o protesto de título de crédito já prescrito, mesmo que irregular, não gera direito de indenização por danos morais de forma automática, se não houver dano efetivo ao bem jurídico tutelado. 

O colegiado determinou o cancelamento dos protestos de dois cheques feitos indevidamente, mas negou o pedido de danos morais do emissor. 

O Ministro Luis Felipe Salomão, relator do recurso, explicou que no caso de protesto irregular, o dano moral se dá pelo abalado ao crédito e pela “fama” de mau pagador. No entanto, no presente caso, o protesto é irregular apenas por conta da prescrição do título, ou seja, ele não pode ser executado, mas restam alternativas de cobrança judicial, e sendo assim não há abalo de crédito. 

O recurso foi originado em uma ação declaratória de prescrição de débito e baixa de protesto, cumulada com pedido de indenização por danos morais, ajuizadas pelo devedor após verificar restrição em seu CPF decorrente do protesto em 2009 por dois cheques emitidos em 2005. 

O autor da ação alegou a prescrição do cheque como motivo pelo qual não poderia o credor protestar o título, e ainda argumentou que os títulos foram emitidos para outra pessoa, que o repassou ao portador, pessoa esta com o qual não teve relação jurídica. 

O Ministro Salomão explica que restou incontroverso que entre a emissão em 2005 e o protesto em 2009, já havia transcorrido o prazo prescricional de 6 meses para a execução cambial.

Além disso, verificou que mesmo não existindo negócio jurídico entre as partes, os cheques foram endossados, o que confere ao endossatário os efeitos de cessão de crédito, não sendo necessário nenhuma outra formalidade para tanto. 

O magistrado ainda acrescenta que “não só não houve efetivo dano ocasionado, como é certo que o autor não nega que deve, tampouco manifesta qualquer intenção em adimplir o débito”.

Diante disto, foi reconhecida a irregularidade do protesto, devido à prescrição da dívida, porém sem reconhecer os danos morais nesse caso. 

Decisão no REsp 1.536.035

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais

Empresa é condenada em danos morais e materiais por não ter afastado empregada gestante do trabalho presencial, durante a pandemia

Tribunal Regional da 11ª Região reconhece culpa recíproca entre empregadora e trabalhadora gestante, vítima fatal da COVID-19, que apesar de ter sido imprudente ao não usar máscara protetiva em diversas situações, foi obrigada a executar atividades laborais presenciais, mesmo diante da legislação que proíbe tal situação, contraindo, assim, o vírus. Destaca-se que há Projeto de Lei em trâmite no Senado Federal com o objetivo de regulamentar o assunto de forma mais adequada.

Leia mais
discriminatória

Dispensa imotivada de portadora de câncer foi reconhecida como discriminatória pelo TRT da 2ª Região

A 15ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, reconheceu como dispensa de caráter discriminatório, uma rescisão de contrato de trabalho na modalidade imotivada de uma trabalhadora portadora de câncer, cujo tratamento envolveu cirurgia e quimioterapia e um longo período de recuperação, e que teve o contrato rescindido logo após o retorno do afastamento previdenciário, que se prolongou por mais de 2 (dois) anos.

Leia mais