Não é possível penhora de bem de família se credor não é hipotecário

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Em sede de Recurso Especial, o Superior Tribunal de Justiça entendeu não ser possível a penhora de um imóvel considerado bem de família em ação intentada por um banco credor. 

No caso em tela, um banco havia entrado com uma ação de execução contra os proprietários, indicando à penhora o único imóvel pertencente aos devedores, utilizado como residência para a família. 

Merece destaque o fato de que o banco sequer era credor hipotecário, visto que o imóvel não havia sido dado em garantia ao negócio jurídico celebrado entre as partes, cujo inadimplemento originou o processo de execução. 

O juiz de primeiro grau determinou a desconstituição da penhora. Porém, em sede de apelação, o Tribunal de Justiça de Minas Gerais reformou a sentença e reestabeleceu a penhora sobre o imóvel do qual os recorrentes são donos, afastando a tese de impenhorabilidade do bem de família, pois entendeu que o bem fora dado em garantia ao negócio que deu origem à execução. 

Ocorre que conforme reconhecido pelo Superior Tribunal de Justiça, não se trata de execução hipotecária, já que o imóvel não foi dado em hipoteca ao Banco por ocasião do negócio jurídico celebrado entre as partes, objeto do processo de execução no qual a penhora foi deferida. 

“Tratando-se de execução proposta por credor diverso daquele em favor do qual fora outorgada a hipoteca, é inadmissível a penhora do bem imóvel destinado à residência do devedor e de sua família, não incidindo a regra de exceção do artigo 3º, inciso V, da Lei nº 8.09/90”. 

Ainda completou dizendo que a impenhorabilidade do bem de família é direito fundamental à dignidade da pessoa humana e à moradia e sua interpretação não comporta forma extensiva. 

A decisão pode ser consultada no RESP 1.604.422/MG

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Projetos sociais

Projetos sociais nas empresas: impactos e alternativas de regulamentação

Muitas empresas exercem ou querem exercer ações sociais de cunho filantrópico, utilizando dos seus próprios serviços e produtos para irem além dos aspectos econômicos, com projetos que beneficiam o meio ambiente, agricultores e trabalhadores rurais e que impactam diretamente comunidades e instituições que necessitam de amparo.
Contudo, apesar das práticas sociais estarem ligadas aos valores de determinadas empresas, a sua estruturação requer bastante cautela e apoio jurídico para que não haja impactos trabalhistas, empresariais e tributários que possam, muitas vezes, desacelerar ou até mesmo impossibilitar esse compromisso com a sociedade.

Leia mais
Marco Legal

Câmara aprova MP que cria marco legal da securitização

Foi aprovada pela Câmara dos Deputados no dia 15 de junho de 2022, a medida provisória editada em março pelo governo federal que cria, atualiza e define regras para securitização dos direitos creditórios (conversão de créditos a receber em títulos a serem comercializados) e, também, cria a Letra de Risco de Seguro.

Leia mais