Não reconhecida pelo TJ/SP fraude à execução em cumprimento de sentença arbitral

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

A 1ª Câmara de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, não reconheceu fraude à execução de cumprimento de sentença arbitral e, consequentemente, reformou decisão de primeiro grau para determinar a impenhorabilidade de um imóvel considerado bem de família. 

O juízo de origem entendeu que o imóvel não era bem de família, pois o agravante teria um segundo imóvel, que foi alienado para tornar o primeiro apartamento impenhorável, considerando-se assim fraude à execução. 

Porém, segundo o relator desembargador Fortes Barbosa, a alienação do segundo imóvel teria sido feita seis meses antes do ajuizamento do cumprimento de sentença arbitral, além disso, foram apresentadas cópias de contas de energia elétrica, comprovando que o agravante habita o imóvel com sua família. 

“Nesse sentido, por aplicação do artigo 1º da Lei 8.009/1990, está concretizada a impenhorabilidade proposta, a qual também abarca direitos de natureza pessoal, desde que aptos a permitir a manutenção de uma moradia, provendo um mínimo existencial”, concluiu. A decisão foi por unanimidade.

Agravo de instrumento nº 2112497-88.2021.8.26.0000

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Projetos sociais

Projetos sociais nas empresas: impactos e alternativas de regulamentação

Muitas empresas exercem ou querem exercer ações sociais de cunho filantrópico, utilizando dos seus próprios serviços e produtos para irem além dos aspectos econômicos, com projetos que beneficiam o meio ambiente, agricultores e trabalhadores rurais e que impactam diretamente comunidades e instituições que necessitam de amparo.
Contudo, apesar das práticas sociais estarem ligadas aos valores de determinadas empresas, a sua estruturação requer bastante cautela e apoio jurídico para que não haja impactos trabalhistas, empresariais e tributários que possam, muitas vezes, desacelerar ou até mesmo impossibilitar esse compromisso com a sociedade.

Leia mais
Marco Legal

Câmara aprova MP que cria marco legal da securitização

Foi aprovada pela Câmara dos Deputados no dia 15 de junho de 2022, a medida provisória editada em março pelo governo federal que cria, atualiza e define regras para securitização dos direitos creditórios (conversão de créditos a receber em títulos a serem comercializados) e, também, cria a Letra de Risco de Seguro.

Leia mais