Justiça autoriza penhora de imóvel de alto valor destinado à moradia

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

A 16ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça do estado de São Paulo entendeu que à luz dos princípios de proporcionalidade e razoabilidade, o imóvel de valor vultuoso pode ser penhorado, ainda que destinado à moradia do devedor. 

No agravo de instrumento nº 2075933-13.2021.8.26.0000 foi autorizada a penhora parcial de um imóvel avaliado em R$ 24.000.000,00 (vinte e quatro milhões de reais), sendo que 10% será impenhorável, garantindo aos devedores que adquiram outro imóvel que lhes proporcione uma moradia digna. 

O agravante sustenta que um dos devedores é uma das pessoas mais ricas do país, com patrimônio avaliado em R$ 5 bilhões, porém sem bens registrados em seu nome, a não ser este imóvel. Destaca ainda, que a penhora de obras de arte e veículos, não foi suficiente para satisfazer a sua dívida.  

Segundo o relator do acórdão, o desembargador Ademir Modesto de Souza, a impenhorabilidade do bem de família prevista na Lei nº 8.009/90 protege os princípios da dignidade da pessoa humana e acesso à moradia. Porém, em casos como este, a impenhorabilidade fere o princípio da igualdade. 

“Enquanto os ricos podem concentrar toda sua fortuna num único imóvel para blindá-lo contra a penhora, os pobres ficam sujeitos à constrição se, necessitando adquirir um segundo imóvel, igualmente simples como aquele onde reside, visando complementar sua renda, não têm a proteção da Lei 8.009/90 em relação à parte de seu patrimônio”, disse.

A lei visa proteger um patrimônio mínimo para a efetiva dignidade humana, o que não se aplica a este caso, visto que não é necessário um imóvel nesse valor para preservar a dignidade de nenhuma pessoa. 

Defende o relator que, mesmo não contendo expressamente na lei um limite de valor para proteção do imóvel, “ a atitude do intérprete jamais poderá ser mera abordagem conceitual ou semântica do texto”, e sim uma interpretação em conjunto com outros elementos, e sendo assim, a penhora de um imóvel de alto valor é possível, desde que seja assegurada parte do valor obtido, como um patrimônio mínimo necessário à preservação de uma vida digna do devedor. 

“Injustificável, portanto, a impenhorabilidade de um imóvel de valor declarado de R$ 24.000.000,00, ainda que destinado à moradia do devedor, já que este não necessita da proteção da impenhorabilidade para a preservação de seu mínimo existencial ou de sua dignidade como pessoa humana, sobretudo porque essa proteção não se estende a um segundo imóvel destinado à complementação de renda de milhares de brasileiros, ainda que este e o destinado à moradia tenham valores que, somados, não alcancem 1/20 (um vinte avos) do valor do imóvel acima referido”, sustenta o desembargador.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais

Empresa é condenada em danos morais e materiais por não ter afastado empregada gestante do trabalho presencial, durante a pandemia

Tribunal Regional da 11ª Região reconhece culpa recíproca entre empregadora e trabalhadora gestante, vítima fatal da COVID-19, que apesar de ter sido imprudente ao não usar máscara protetiva em diversas situações, foi obrigada a executar atividades laborais presenciais, mesmo diante da legislação que proíbe tal situação, contraindo, assim, o vírus. Destaca-se que há Projeto de Lei em trâmite no Senado Federal com o objetivo de regulamentar o assunto de forma mais adequada.

Leia mais
discriminatória

Dispensa imotivada de portadora de câncer foi reconhecida como discriminatória pelo TRT da 2ª Região

A 15ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, reconheceu como dispensa de caráter discriminatório, uma rescisão de contrato de trabalho na modalidade imotivada de uma trabalhadora portadora de câncer, cujo tratamento envolveu cirurgia e quimioterapia e um longo período de recuperação, e que teve o contrato rescindido logo após o retorno do afastamento previdenciário, que se prolongou por mais de 2 (dois) anos.

Leia mais