Firma reconhecida em documento não afasta ônus da prova de legitimidade

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

A 4ª Turma do Superior Tribunal de Justiça aceitou o recurso especial ajuizado por fiadores de um contrato de confissão de dívida sobre um débito de R$ 3 milhões, levado a execução extrajudicial.
Alegam os fiadores que não assinaram referido documento, sendo, portanto, falsas as assinaturas constantes no referido contrato.

Não há comprovação nos autos de que as assinaturas tenham sido realizadas na presença de tabelião. Nesse sentido, o relator da 4ª turma afirmou que “incumbe ao apresentante do documento o ônus da prova da autenticidade da assinatura, quando devidamente impugnada pela parte contrária, não tendo o reconhecimento das assinaturas o condão de transmudar tal obrigação, pois ainda que reputado autêntico quando o tabelião confirmar a firma do signatário, existindo impugnação da parte contra quem foi produzido tal documento cessa a presunção legal de autenticidade”, ou seja, para que o documento possa ser utilizado como prova, haverá a necessidade de se comprovar sua veracidade.

Dessa forma, por não ter sido realizada perícia em momento anterior, os autos retornam para primeiro grau para que seja reaberta a instrução probatória, e é nesse momento em que será necessário a parte exequente, comprovar a autenticidade das assinaturas, mesmo constando o reconhecimento das mesmas em cartório.
Assim, somente após a realização de perícia nas assinaturas será possível apurar a veracidade das assinaturas dos fiadores no presente caso.

Vale destacar que tendo em vista a fé pública do cartório, o qual reconheceu, ainda que por semelhança, as assinaturas, há responsabilidade sobre o ato realizado. Logo, caso seja confirmado que as assinaturas foram falsificadas, o cartório poderá ser acionado pelo credor, diante dos prejuízos apurados.

Vamos aguardar o deslinde deste feito e deixando o alerta aos credores quanto aos cuidados quando da formalização da documentação, bem como da presunção de boa fé diante do reconhecimento das assinaturas em cartório.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Projetos sociais

Projetos sociais nas empresas: impactos e alternativas de regulamentação

Muitas empresas exercem ou querem exercer ações sociais de cunho filantrópico, utilizando dos seus próprios serviços e produtos para irem além dos aspectos econômicos, com projetos que beneficiam o meio ambiente, agricultores e trabalhadores rurais e que impactam diretamente comunidades e instituições que necessitam de amparo.
Contudo, apesar das práticas sociais estarem ligadas aos valores de determinadas empresas, a sua estruturação requer bastante cautela e apoio jurídico para que não haja impactos trabalhistas, empresariais e tributários que possam, muitas vezes, desacelerar ou até mesmo impossibilitar esse compromisso com a sociedade.

Leia mais
Marco Legal

Câmara aprova MP que cria marco legal da securitização

Foi aprovada pela Câmara dos Deputados no dia 15 de junho de 2022, a medida provisória editada em março pelo governo federal que cria, atualiza e define regras para securitização dos direitos creditórios (conversão de créditos a receber em títulos a serem comercializados) e, também, cria a Letra de Risco de Seguro.

Leia mais