Sancionada com vetos, lei que facilita abertura de empresas

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Aprovada pelo Congresso Nacional no início do mês, foi sancionada recentemente a Lei 14.195/21, com objetivo principal de facilitar a abertura de empresas e estimular o ambiente de negócios do Brasil.
Assim, o texto legal traz mudanças profundas no regime empresarial brasileiro alterando diversos pontos desde exigências para a abertura de empresas até a forma de cumprimento de suas obrigações legais.
Entre as diversas novidades, a lei trouxe a possibilidade de unificação das inscrições fiscais federal, estadual e municipal no CNPJ e a emissão automática, sem avaliação humana, de licenças e alvarás de funcionamento para atividades classificadas como de risco médio.
Neste sentido, também foram alterados tópicos societários como a padronização do pagamento de taxas e da disponibilização de guichê único eletrônico aos importadores e exportadores.
A lei também é responsável por algumas alterações na Lei das S.As, tais como:

  • fica proibido o acúmulo de funções entre o principal dirigente da empresa e o presidente do conselho de administração;
  • ampliado o prazo de antecedência para o envio de informações a serem usadas em assembleia;
  • instituído o chamado voto plural, que torna possível a participação mais ativa dos sócios minoritários nas decisões da empresa.

A nova lei foi sancionada e foi objeto de vetos polêmicos, especialmente a derrubada da proibição de constituição de sociedades simples a partir da entrada em vigor da lei, prevista no texto inicial. Constituídas para prestação de serviços de profissionais liberais, como médicos, engenheiros e advogados, as sociedades seriam extintas caso fosse mantido o texto base.
Outros dispositivos também foram vetados, tais como a dispensa de anotação de responsabilidade técnica em obras de eletricidade, a revogação do Departamento Nacional de Registro Empresarial e Integração (DREI) e a obrigatoriedade de a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) elaborar e divulgar material de orientação aos agentes de mercado.
Desta forma, fica clara a tentativa de desburocratização do sistema empresarial brasileiro através da flexibilização dos trâmites legais. Contudo, resta aguardar na prática a efetividade e impacto destas medidas.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais

Empresa é condenada em danos morais e materiais por não ter afastado empregada gestante do trabalho presencial, durante a pandemia

Tribunal Regional da 11ª Região reconhece culpa recíproca entre empregadora e trabalhadora gestante, vítima fatal da COVID-19, que apesar de ter sido imprudente ao não usar máscara protetiva em diversas situações, foi obrigada a executar atividades laborais presenciais, mesmo diante da legislação que proíbe tal situação, contraindo, assim, o vírus. Destaca-se que há Projeto de Lei em trâmite no Senado Federal com o objetivo de regulamentar o assunto de forma mais adequada.

Leia mais
discriminatória

Dispensa imotivada de portadora de câncer foi reconhecida como discriminatória pelo TRT da 2ª Região

A 15ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, reconheceu como dispensa de caráter discriminatório, uma rescisão de contrato de trabalho na modalidade imotivada de uma trabalhadora portadora de câncer, cujo tratamento envolveu cirurgia e quimioterapia e um longo período de recuperação, e que teve o contrato rescindido logo após o retorno do afastamento previdenciário, que se prolongou por mais de 2 (dois) anos.

Leia mais