Pagamento das custas judiciais com PIX passará a ser aceito pelo Tribunal de Justiça do Estado da Paraíba

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

O novo meio de pagamento eletrônico instantâneo criado pelo Banco Central denominado PIX, que permite a realização de transações bancárias a partir do aplicativo de celular, poderá ser utilizado para pagamento de custas judiciais no Estado da Paraíba.

A inovação estará disponível a partir de setembro de 2021 e pretende desburocratizar o pagamento das guias judiciais, que antes só poderia ser feito no autoatendimento bancário.

Segundo a gerência de comunicação do Tribunal “a nova modalidade para implantação do pagamento de custas judiciais pelo sistema PIX é um trabalho de parceria do Tribunal de Justiça e o Banco do Brasil” que, inclusive, impossibilitará o pagamento duplicado de guias, “o que é comum nos escritórios que possuem grande volume de ações judiciais e muitas guias de custas judiciais para pagar”.

O processamento do pagamento pode durar cerca de 400 milissegundos e a leitura do Qr Code será feito pelo próprio celular do usuário, trazendo praticidade e agilidade no pagamento das custas judiciais.

Até o momento somente o Tribunal de Justiça do Estado da Paraíba adotou o PIX como forma de pagamento das custas judiciais, se destacando entre os demais Tribunais do país.

Fonte: https://www.tjpb.jus.br/noticia/tribunal-de-justica-da-paraiba-vai-possibilitar-pagamento-de-custas-judiciais-pelo-pix, acesso em 30.08.21

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Projetos sociais

Projetos sociais nas empresas: impactos e alternativas de regulamentação

Muitas empresas exercem ou querem exercer ações sociais de cunho filantrópico, utilizando dos seus próprios serviços e produtos para irem além dos aspectos econômicos, com projetos que beneficiam o meio ambiente, agricultores e trabalhadores rurais e que impactam diretamente comunidades e instituições que necessitam de amparo.
Contudo, apesar das práticas sociais estarem ligadas aos valores de determinadas empresas, a sua estruturação requer bastante cautela e apoio jurídico para que não haja impactos trabalhistas, empresariais e tributários que possam, muitas vezes, desacelerar ou até mesmo impossibilitar esse compromisso com a sociedade.

Leia mais
Marco Legal

Câmara aprova MP que cria marco legal da securitização

Foi aprovada pela Câmara dos Deputados no dia 15 de junho de 2022, a medida provisória editada em março pelo governo federal que cria, atualiza e define regras para securitização dos direitos creditórios (conversão de créditos a receber em títulos a serem comercializados) e, também, cria a Letra de Risco de Seguro.

Leia mais