Devedor não é localizado e TJ/SP consente o arresto das quotas sociais de Eireli

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Conforme entendimento do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ/SP), com base no disposto no artigo 830 do Código de Processo Civil, o oficial de justiça pode arrestar quaisquer bens que sejam suficientes para garantir a execução, nos casos em que o executado não tenha sido localizado ao longo do ato citatório.

Diante deste entendimento, foi mantido o arresto da integralidade das quotas sociais de uma Empresa Individual de Responsabilidade Limitada (Eireli) de um determinado devedor, pela 36ª Câmara de Direito Privado do TJ/SP.

Os autos relatam que foram feitas diversas tentativas de citação do devedor por parte do oficial, entretanto, todas sem êxito. Diante desse cenário e da suspeita de tentativa de ocultação, a credora solicitou o arresto das quotas sociais da Eireli em que o devedor era sócio, tendo seu pedido acolhido pelo juiz da 1ª instância.

Após referida, o empresário entendendo que o bloqueio das quotas foi desproporcional, podendo trazer danos e até inviabilizar a continuidade da empresa, recorreu da decisão ao TJ/SP. Todavia, o tribunal não deu provimento ao recurso, em votação unânime.

“No caso, expedido o mandado de citação, o agravante não foi encontrado em diversas tentativas, sendo informado pelo oficial de justiça que esteve no endereço nos dias 2, 6, 14, 26 de junho e 5 de julho, em horários diversos. Desse modo, plenamente possível o arresto de tantos bens quanto bastasse para garantir a execução, nos termos do artigo 830 do CPC”, argumentou o desembargador-relator, Milton Carvalho.

Segundo o magistrado, o arresto das quotas sociais da Eireli era adequado, pois, a pré-penhora se deu pelo motivo do devedor não ter sido citado para a execução, mesmo depois de inúmeras tentativas por parte do oficial de justiça.

“Ainda que se trate de capital social de empresa individual de responsabilidade limitada, o artigo 980-A, §6º, do Código Civil, prevê que se aplicam à empresa individual de responsabilidade limitada, no que couber, as regras previstas para as sociedades limitadas”, complementou Milton Carvalho.

O relator utilizou para o caso o artigo 1.026 do Código Civil, que traz em seu texto a autorização para que a execução recaia sobre lucros que pertençam ao devedor na sociedade ou, na parte que lhe couber na liquidação. Sendo, portanto, factível o arresto do capital social da empresa individual.

“Não se observa, ainda, neste momento, qualquer prejuízo à continuidade das atividades empresariais, sendo que do registro junto à Jucesp é possível observar a existência de ordem de constrição das quotas sociais, originada de autos distintos, registrada em 19/5/2017, o que não impediu a continuidade e existência da empresa”, consuma o relator.

2083157-02.2021.8.26.0000

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES