Justiça do Trabalho autoriza penhora de imóvel que teria sido doado a filhas de devedor

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Esse foi o entendimento conferido pela 10ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região ao acolher o recurso da credora de dívida trabalhista para modificar a decisão oriunda da Vara do Trabalho de Teófilo Otoni, autorizando a penhora de imóvel doado pelos devedores às suas filhas. Foi constatado que a doação não havia sido registrada em cartório e a devedora permanecia na posse do imóvel. 

Vale frisar que o entendimento foi acolhido, à unanimidade, pelos integrantes do colegiado. Inclusive, foi pontuado que a propriedade imobiliária registrada sob a titularidade da devedora trata-se de bem sujeito à execução, nos termos do Art. 789 do CPC. 

Além disso, segundo ressaltado, a doação não registrada no cartório de imóveis e realizada na pendência de dívidas, como no caso, não impede a penhora, nos termos Art. 790, inciso III, do CPC, segundo o qual: “São sujeitos à execução os bens: (…) do devedor ainda que em poder de terceiros”.

A Reclamada mantinha uma minifábrica de doces nos fundos de uma casa, contratando empregados sem anotação na CTPS. A Exequente havia trabalhado neste imóvel, cuja penhora era requerida. Documento apresentado no processo demonstrou que o imóvel havia sido doado pelo casal (devedora e ex-marido) às filhas.

A Exequente não se conformou com a decisão, oriunda da Vara do Trabalho de Teófilo Otoni, que revogou ordem judicial que determinou a penhora do imóvel. Sendo que as tentativas de execução contra a devedora do crédito trabalhista foram frustradas, por não terem sido encontrados bens.

Ocorre que, ficou evidenciada a má-fé da devedora, ressaltando a Relatora que, no caso, além de a doação ocorrer entre mãe e filhas, estas nem mesmo eram possuidoras do imóvel, cuja posse permanecia com a própria devedora. 

Concluiu, portanto, a julgadora, que houve má-fé na doação da mãe para as filhas e como o imóvel permanece registrado em nome da própria devedora, além de estar sujeito à execução, a doação não gera eficácia perante terceiros, mesmo porque todos aqueles que mantiveram relações negociais com a devedora contam com seu patrimônio para honrar suas dívidas.

Processo: 0010703-46.2020.5.03.0077

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Projetos sociais

Projetos sociais nas empresas: impactos e alternativas de regulamentação

Muitas empresas exercem ou querem exercer ações sociais de cunho filantrópico, utilizando dos seus próprios serviços e produtos para irem além dos aspectos econômicos, com projetos que beneficiam o meio ambiente, agricultores e trabalhadores rurais e que impactam diretamente comunidades e instituições que necessitam de amparo.
Contudo, apesar das práticas sociais estarem ligadas aos valores de determinadas empresas, a sua estruturação requer bastante cautela e apoio jurídico para que não haja impactos trabalhistas, empresariais e tributários que possam, muitas vezes, desacelerar ou até mesmo impossibilitar esse compromisso com a sociedade.

Leia mais
Marco Legal

Câmara aprova MP que cria marco legal da securitização

Foi aprovada pela Câmara dos Deputados no dia 15 de junho de 2022, a medida provisória editada em março pelo governo federal que cria, atualiza e define regras para securitização dos direitos creditórios (conversão de créditos a receber em títulos a serem comercializados) e, também, cria a Letra de Risco de Seguro.

Leia mais