Fiagros poderão ser registrados na CVM a partir de 01/08/2021

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Amplamente aguardado pelo mercado, no final de março deste ano, foi instituído o Fundo de Investimento nas Cadeias Produtivas Agroindustriais (Fiagro), tido como um importante instrumento para atrair investimentos privados à cadeia do agronegócio.

Assim, prevê a legislação que os Fiagro serão constituídos sob a forma de condomínio de natureza especial destinado à aplicação em uma ampla variedade de ativos, tais como direitos creditórios, imóveis, valores mobiliários, ações ou cotas de sociedades, sempre no contexto das atividades integrantes da cadeia produtiva agroindustrial.

No cenário atual temos, de um lado, um grande apetite por parte dos investidores neste novo instrumento, e de outro, uma alta demanda por financiamento pelos atuantes na cadeia do agronegócio. Sem falar na intenção do governo em transformar o mercado de capitais em relevante fonte de financiamento de curto e longo prazo, propiciando os investimentos necessários para a continuidade no desenvolvimento deste setor.

Diante desse cenário, não é razoável aguardar todos os trâmites envolvidos na edição de uma norma específica para disciplinar a constituição e o funcionamento do Fiagro, o que demandará estudos prévios e realização de audiência públicas, estimando a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) a conclusão somente em meados de 2022.

Assim, ontem (13/07/2021) foi editada a Resolução CVM nº 39, a qual traz regras temporárias e em caráter experimental sobre o registro do Fiagro, de forma a viabilizar sua utilização a partir de 01/08/2021.

Nos termos do art. 2º da referida Resolução, para funcionamento do Fiagro é necessário o registro na CVM, devendo ser enquadrado em alguma das seguintes categorias de fundos:

“I – fundo de investimento em direitos creditórios, devendo constar de sua denominação a expressão “FIAGRO-Direitos Creditórios”;

 II – fundo de investimento imobiliário, devendo constar de sua denominação a expressão “FIAGROImobiliário”; ou

 III – fundo de investimento em participações, devendo constar de sua denominação a expressão “FIAGRO-Participações”.”

Logo, dependendo da categoria de fundo de investimento em que o Fiagro se enquadrar serão aplicadas as normas específicas para a espécie, sejam fundos de direitos creditórios, fundos imobiliários ou fundos em participações, além das regras gerais para constituição, funcionamento, divulgação de informações e prestação de serviços para os fundos.

Essa foi a forma de viabilizar a utilização imediata do Fiagro, possibilitando a experimentação do mercado, de forma a refletir as melhores práticas e segurança jurídica quando da edição de norma específica.

Ressalta-se, portanto, que a Resolução CVM nº 39, como expressamente previsto em seu texto, traz regras provisórias, sendo de extrema importância uma futura normativa específica, visto que as diversas peculiaridades existentes nas relações da cadeia do agronegócio.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais

Empresa é condenada em danos morais e materiais por não ter afastado empregada gestante do trabalho presencial, durante a pandemia

Tribunal Regional da 11ª Região reconhece culpa recíproca entre empregadora e trabalhadora gestante, vítima fatal da COVID-19, que apesar de ter sido imprudente ao não usar máscara protetiva em diversas situações, foi obrigada a executar atividades laborais presenciais, mesmo diante da legislação que proíbe tal situação, contraindo, assim, o vírus. Destaca-se que há Projeto de Lei em trâmite no Senado Federal com o objetivo de regulamentar o assunto de forma mais adequada.

Leia mais
discriminatória

Dispensa imotivada de portadora de câncer foi reconhecida como discriminatória pelo TRT da 2ª Região

A 15ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, reconheceu como dispensa de caráter discriminatório, uma rescisão de contrato de trabalho na modalidade imotivada de uma trabalhadora portadora de câncer, cujo tratamento envolveu cirurgia e quimioterapia e um longo período de recuperação, e que teve o contrato rescindido logo após o retorno do afastamento previdenciário, que se prolongou por mais de 2 (dois) anos.

Leia mais