Fiagros poderão ser registrados na CVM a partir de 01/08/2021

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Amplamente aguardado pelo mercado, no final de março deste ano, foi instituído o Fundo de Investimento nas Cadeias Produtivas Agroindustriais (Fiagro), tido como um importante instrumento para atrair investimentos privados à cadeia do agronegócio.

Assim, prevê a legislação que os Fiagro serão constituídos sob a forma de condomínio de natureza especial destinado à aplicação em uma ampla variedade de ativos, tais como direitos creditórios, imóveis, valores mobiliários, ações ou cotas de sociedades, sempre no contexto das atividades integrantes da cadeia produtiva agroindustrial.

No cenário atual temos, de um lado, um grande apetite por parte dos investidores neste novo instrumento, e de outro, uma alta demanda por financiamento pelos atuantes na cadeia do agronegócio. Sem falar na intenção do governo em transformar o mercado de capitais em relevante fonte de financiamento de curto e longo prazo, propiciando os investimentos necessários para a continuidade no desenvolvimento deste setor.

Diante desse cenário, não é razoável aguardar todos os trâmites envolvidos na edição de uma norma específica para disciplinar a constituição e o funcionamento do Fiagro, o que demandará estudos prévios e realização de audiência públicas, estimando a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) a conclusão somente em meados de 2022.

Assim, ontem (13/07/2021) foi editada a Resolução CVM nº 39, a qual traz regras temporárias e em caráter experimental sobre o registro do Fiagro, de forma a viabilizar sua utilização a partir de 01/08/2021.

Nos termos do art. 2º da referida Resolução, para funcionamento do Fiagro é necessário o registro na CVM, devendo ser enquadrado em alguma das seguintes categorias de fundos:

“I – fundo de investimento em direitos creditórios, devendo constar de sua denominação a expressão “FIAGRO-Direitos Creditórios”;

 II – fundo de investimento imobiliário, devendo constar de sua denominação a expressão “FIAGROImobiliário”; ou

 III – fundo de investimento em participações, devendo constar de sua denominação a expressão “FIAGRO-Participações”.”

Logo, dependendo da categoria de fundo de investimento em que o Fiagro se enquadrar serão aplicadas as normas específicas para a espécie, sejam fundos de direitos creditórios, fundos imobiliários ou fundos em participações, além das regras gerais para constituição, funcionamento, divulgação de informações e prestação de serviços para os fundos.

Essa foi a forma de viabilizar a utilização imediata do Fiagro, possibilitando a experimentação do mercado, de forma a refletir as melhores práticas e segurança jurídica quando da edição de norma específica.

Ressalta-se, portanto, que a Resolução CVM nº 39, como expressamente previsto em seu texto, traz regras provisórias, sendo de extrema importância uma futura normativa específica, visto que as diversas peculiaridades existentes nas relações da cadeia do agronegócio.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Projetos sociais

Projetos sociais nas empresas: impactos e alternativas de regulamentação

Muitas empresas exercem ou querem exercer ações sociais de cunho filantrópico, utilizando dos seus próprios serviços e produtos para irem além dos aspectos econômicos, com projetos que beneficiam o meio ambiente, agricultores e trabalhadores rurais e que impactam diretamente comunidades e instituições que necessitam de amparo.
Contudo, apesar das práticas sociais estarem ligadas aos valores de determinadas empresas, a sua estruturação requer bastante cautela e apoio jurídico para que não haja impactos trabalhistas, empresariais e tributários que possam, muitas vezes, desacelerar ou até mesmo impossibilitar esse compromisso com a sociedade.

Leia mais
Marco Legal

Câmara aprova MP que cria marco legal da securitização

Foi aprovada pela Câmara dos Deputados no dia 15 de junho de 2022, a medida provisória editada em março pelo governo federal que cria, atualiza e define regras para securitização dos direitos creditórios (conversão de créditos a receber em títulos a serem comercializados) e, também, cria a Letra de Risco de Seguro.

Leia mais