Conselheiro que não participou da gestão não responde por dívida de cooperativa

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Caso não haja fraude, abuso de direito ou uso ilícito do cargo a fim de obter benefício pessoal por parte do conselheiro fiscal, este não poderá ser responsabilizado pelas obrigações da sociedade cooperativa.

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ/SP) após efetuar a desconsideração da personalidade jurídica de determinada cooperativa habitacional, responsabilizou seu ex-conselheiro fiscal pelas dívidas contraídas pela organização com uma consumidora, e ainda, determinou a penhora de bens da propriedade do ex-membro. 

O ex-conselheiro interpôs recurso contra o acórdão do TJ/SP, julgado pela 3ª Turma do Superior Tribula de Justiça (STJ), alegando que exerceu o cargo de conselheiro fiscal por curto período e que a execução não poderia atingi-lo. 

O relator do recurso, ministro Marco Aurélio Bellizze, destacou que o artigo 50 do Código Civil, adota a chamada teoria maior da desconsideração da personalidade jurídica, enquanto o artigo 28, parágrafo 5º, do CDC adota a teoria menor.

Teoria Maior: A desconsideração da personalidade jurídica apresenta como pressuposto a manipulação fraudulenta e abusiva da pessoa jurídica (caracterizada pelo desvio de finalidade ou confusão patrimonial). Nesse caso, distingue-se de forma clara a desconsideração da personalidade jurídica e outros institutos jurídicos que também importam a responsabilidade ilimitada do sócio ou administrador por obrigação da sociedade, tal como ocorre na responsabilização por ato fraudulento praticado pelo administrador.

Teoria Menor: Não é a regra, possui aplicação excepcional no nosso ordenamento. A qual estabelece que a simples demonstração, pelo credor, da insolvência da sociedade ensejaria a responsabilização dos sócios pela dívida da pessoa jurídica. Logo, por essa teoria, o simples prejuízo do credor já justificaria a desconsideração da personalidade jurídica. Aplicada em casos de direito ambiental (art. 4º da Lei do Meio Ambiente) e nas relações consumeristas (art. 28, § 5º, CDC).

O ministro ressaltou que, considerando que a cooperativa em questão atua no ramo habitacional, deverá ser considerada a teoria menor para o processo, em conformidade com a determinação do tribunal paulista, indo de acordo a Súmula 602 do STJ, a qual relata que “o CDC é aplicável aos empreendimentos habitacionais promovidos pelas sociedades cooperativas”.

Todavia, o relator enfatizou que ainda que aplicada a teoria menor da desconsideração da personalidade jurídica ao caso, “o artigo 28, parágrafo 5º, do CDC não pode ser interpretado de forma tão ampla a permitir a responsabilização de quem jamais integrou a diretoria ou o conselho de administração da cooperativa”. Ele lembrou que, “segundo os autos, o coexecutado apenas exerceu, por breve período, o cargo de conselheiro fiscal, o qual não tem função de gestão na sociedade, de acordo com os artigos 47 e 56 da Lei 5.764/1971 (Lei das Cooperativas)”.

“Vale destacar, ainda, que, embora o artigo 53 da Lei das Cooperativas equipare os componentes da administração e do conselho fiscal, bem como os liquidantes, aos administradores das sociedades anônimas para efeito de responsabilidade criminal, tal dispositivo não se aplica ao caso, por se tratar de demanda de natureza civil”, acrescentou Bellizze. 

REsp 1.804.579

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Projetos sociais

Projetos sociais nas empresas: impactos e alternativas de regulamentação

Muitas empresas exercem ou querem exercer ações sociais de cunho filantrópico, utilizando dos seus próprios serviços e produtos para irem além dos aspectos econômicos, com projetos que beneficiam o meio ambiente, agricultores e trabalhadores rurais e que impactam diretamente comunidades e instituições que necessitam de amparo.
Contudo, apesar das práticas sociais estarem ligadas aos valores de determinadas empresas, a sua estruturação requer bastante cautela e apoio jurídico para que não haja impactos trabalhistas, empresariais e tributários que possam, muitas vezes, desacelerar ou até mesmo impossibilitar esse compromisso com a sociedade.

Leia mais
Marco Legal

Câmara aprova MP que cria marco legal da securitização

Foi aprovada pela Câmara dos Deputados no dia 15 de junho de 2022, a medida provisória editada em março pelo governo federal que cria, atualiza e define regras para securitização dos direitos creditórios (conversão de créditos a receber em títulos a serem comercializados) e, também, cria a Letra de Risco de Seguro.

Leia mais