Conselheiro que não participou da gestão não responde por dívida de cooperativa

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Caso não haja fraude, abuso de direito ou uso ilícito do cargo a fim de obter benefício pessoal por parte do conselheiro fiscal, este não poderá ser responsabilizado pelas obrigações da sociedade cooperativa.

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ/SP) após efetuar a desconsideração da personalidade jurídica de determinada cooperativa habitacional, responsabilizou seu ex-conselheiro fiscal pelas dívidas contraídas pela organização com uma consumidora, e ainda, determinou a penhora de bens da propriedade do ex-membro. 

O ex-conselheiro interpôs recurso contra o acórdão do TJ/SP, julgado pela 3ª Turma do Superior Tribula de Justiça (STJ), alegando que exerceu o cargo de conselheiro fiscal por curto período e que a execução não poderia atingi-lo. 

O relator do recurso, ministro Marco Aurélio Bellizze, destacou que o artigo 50 do Código Civil, adota a chamada teoria maior da desconsideração da personalidade jurídica, enquanto o artigo 28, parágrafo 5º, do CDC adota a teoria menor.

Teoria Maior: A desconsideração da personalidade jurídica apresenta como pressuposto a manipulação fraudulenta e abusiva da pessoa jurídica (caracterizada pelo desvio de finalidade ou confusão patrimonial). Nesse caso, distingue-se de forma clara a desconsideração da personalidade jurídica e outros institutos jurídicos que também importam a responsabilidade ilimitada do sócio ou administrador por obrigação da sociedade, tal como ocorre na responsabilização por ato fraudulento praticado pelo administrador.

Teoria Menor: Não é a regra, possui aplicação excepcional no nosso ordenamento. A qual estabelece que a simples demonstração, pelo credor, da insolvência da sociedade ensejaria a responsabilização dos sócios pela dívida da pessoa jurídica. Logo, por essa teoria, o simples prejuízo do credor já justificaria a desconsideração da personalidade jurídica. Aplicada em casos de direito ambiental (art. 4º da Lei do Meio Ambiente) e nas relações consumeristas (art. 28, § 5º, CDC).

O ministro ressaltou que, considerando que a cooperativa em questão atua no ramo habitacional, deverá ser considerada a teoria menor para o processo, em conformidade com a determinação do tribunal paulista, indo de acordo a Súmula 602 do STJ, a qual relata que “o CDC é aplicável aos empreendimentos habitacionais promovidos pelas sociedades cooperativas”.

Todavia, o relator enfatizou que ainda que aplicada a teoria menor da desconsideração da personalidade jurídica ao caso, “o artigo 28, parágrafo 5º, do CDC não pode ser interpretado de forma tão ampla a permitir a responsabilização de quem jamais integrou a diretoria ou o conselho de administração da cooperativa”. Ele lembrou que, “segundo os autos, o coexecutado apenas exerceu, por breve período, o cargo de conselheiro fiscal, o qual não tem função de gestão na sociedade, de acordo com os artigos 47 e 56 da Lei 5.764/1971 (Lei das Cooperativas)”.

“Vale destacar, ainda, que, embora o artigo 53 da Lei das Cooperativas equipare os componentes da administração e do conselho fiscal, bem como os liquidantes, aos administradores das sociedades anônimas para efeito de responsabilidade criminal, tal dispositivo não se aplica ao caso, por se tratar de demanda de natureza civil”, acrescentou Bellizze. 

REsp 1.804.579

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais

Empresa é condenada em danos morais e materiais por não ter afastado empregada gestante do trabalho presencial, durante a pandemia

Tribunal Regional da 11ª Região reconhece culpa recíproca entre empregadora e trabalhadora gestante, vítima fatal da COVID-19, que apesar de ter sido imprudente ao não usar máscara protetiva em diversas situações, foi obrigada a executar atividades laborais presenciais, mesmo diante da legislação que proíbe tal situação, contraindo, assim, o vírus. Destaca-se que há Projeto de Lei em trâmite no Senado Federal com o objetivo de regulamentar o assunto de forma mais adequada.

Leia mais
discriminatória

Dispensa imotivada de portadora de câncer foi reconhecida como discriminatória pelo TRT da 2ª Região

A 15ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, reconheceu como dispensa de caráter discriminatório, uma rescisão de contrato de trabalho na modalidade imotivada de uma trabalhadora portadora de câncer, cujo tratamento envolveu cirurgia e quimioterapia e um longo período de recuperação, e que teve o contrato rescindido logo após o retorno do afastamento previdenciário, que se prolongou por mais de 2 (dois) anos.

Leia mais