Receita Federal cria base única de dados para integrar informações de imóveis urbanos e rurais

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Com a finalidade de possibilitar a instituição de uma espécie de inventário de imóveis no Brasil com tratamento georreferenciado, a Receita Federal do Brasil, por meio da Instrução Normativa da Receita Federal nº 2.030, de junho de 2021, cria um sistema de registro de imóveis urbanos e rurais, o Cadastro Imobiliário Brasileiro (CIB).

O CIB, que passa a fazer parte do Sistema Nacional de Gestão de Informações Territoriais (Sinter), permitirá a visualização da localização geoespacial dos imóveis, podendo ser devidamente localizados em um mapa após consulta junto ao no Sinter. Para tanto, o Sinter atribuirá um código de identificação para cada unidade imobiliária.

Com o cadastro, os imóveis passam a ser devidamente localizados em um mapa e contarão com o georreferenciamento como ferramenta que atribuirá mais exatidão à localização e aos limites de suas áreas.

A IN nº 2.030 especifica, em seu artigo 5, que o código será atribuído a toda unidade imobiliária, independentemente de existir matrícula no registro de imóveis do município ou do título de domínio exercido pelo titular da unidade. A inscrição no CIB, portanto, de acordo com a IN, é separada do registro e não gera qualquer direito de propriedade, domínio útil ou posse.

Estima-se que a possibilidade de inscrição no CIB poderá mitigar alguns problemas com relação aos imóveis, como eventuais impasses que dificultam a legalização e transação, além de permitir melhor mapeamento e planejamento territorial por parte da administração pública.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais

Empresa é condenada em danos morais e materiais por não ter afastado empregada gestante do trabalho presencial, durante a pandemia

Tribunal Regional da 11ª Região reconhece culpa recíproca entre empregadora e trabalhadora gestante, vítima fatal da COVID-19, que apesar de ter sido imprudente ao não usar máscara protetiva em diversas situações, foi obrigada a executar atividades laborais presenciais, mesmo diante da legislação que proíbe tal situação, contraindo, assim, o vírus. Destaca-se que há Projeto de Lei em trâmite no Senado Federal com o objetivo de regulamentar o assunto de forma mais adequada.

Leia mais
discriminatória

Dispensa imotivada de portadora de câncer foi reconhecida como discriminatória pelo TRT da 2ª Região

A 15ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, reconheceu como dispensa de caráter discriminatório, uma rescisão de contrato de trabalho na modalidade imotivada de uma trabalhadora portadora de câncer, cujo tratamento envolveu cirurgia e quimioterapia e um longo período de recuperação, e que teve o contrato rescindido logo após o retorno do afastamento previdenciário, que se prolongou por mais de 2 (dois) anos.

Leia mais