Sócio excluído receberá pagamento proporcional à sua participação no capital social, decide TJ

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

O Tribunal de Justiça de São Paulo, por meio da 1ª Câmara Reservada de Direito, decidiu que o contrato pode estipular pagamento a sócio excluído, proporcionalmente a sua participação societária, sem considerar como base os valores que injetados no negócio a título de investimento.

A sociedade composta por três sócios, decidiu pela exclusão de um deles alegando má administração na condução das atividades empresariais. Conforme autos, o sócio excluído teria investido R$ 250 mil na empresa, porém segundo estipulado em contrato, não haveria devolução do valor investido se ocorresse exclusão por justa causa antes de 24 meses, sendo devido apenas o pagamento da sua participação no capital social, fixado o percentual em 37% de R$ 100 mil.

O desembargador Azuma Nishi, relator da apelação, entendeu que com base no princípio da autonomia das partes, estas decidiram estipular o capital social como R$100 mil, sem considerar o investimento feito por cada sócio, demarcando assim, a responsabilidade pelos riscos inerentes ao negócio, “não havendo que censurar tal prática, pois é da essência da atividade do empresário o dimensionamento de riscos, inclusive quanto ao montante do capital social, que é a garantia do comprometimento dos sócios em relação à sociedade, como da sociedade em relação a terceiros”, afirmou.

“As partes estavam cientes sobre o risco do empreendimento e sobre as consequências advindas do fato de se fixar o capital social em valor inferior ao investimento efetivamente aportado, o que acarreta o pagamento de haveres de acordo com a participação no capital social e não propriamente levando em conta o investimento aportado pelo sócio”, destacou o magistrado. “Em resumo, o recurso dos réus é provido, a fim de julgar improcedente a demanda, visto que é válido o regramento contratual de pagamento de haveres do sócio excluído na proporção de sua participação no capital social e não com base nos valores investidos pelo sócio retirante na sociedade.”

Votação unânime.

Apelação nº 1005431-45.2014.8.26.0248

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Projetos sociais

Projetos sociais nas empresas: impactos e alternativas de regulamentação

Muitas empresas exercem ou querem exercer ações sociais de cunho filantrópico, utilizando dos seus próprios serviços e produtos para irem além dos aspectos econômicos, com projetos que beneficiam o meio ambiente, agricultores e trabalhadores rurais e que impactam diretamente comunidades e instituições que necessitam de amparo.
Contudo, apesar das práticas sociais estarem ligadas aos valores de determinadas empresas, a sua estruturação requer bastante cautela e apoio jurídico para que não haja impactos trabalhistas, empresariais e tributários que possam, muitas vezes, desacelerar ou até mesmo impossibilitar esse compromisso com a sociedade.

Leia mais
Marco Legal

Câmara aprova MP que cria marco legal da securitização

Foi aprovada pela Câmara dos Deputados no dia 15 de junho de 2022, a medida provisória editada em março pelo governo federal que cria, atualiza e define regras para securitização dos direitos creditórios (conversão de créditos a receber em títulos a serem comercializados) e, também, cria a Letra de Risco de Seguro.

Leia mais