Sócio excluído receberá pagamento proporcional à sua participação no capital social, decide TJ

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

O Tribunal de Justiça de São Paulo, por meio da 1ª Câmara Reservada de Direito, decidiu que o contrato pode estipular pagamento a sócio excluído, proporcionalmente a sua participação societária, sem considerar como base os valores que injetados no negócio a título de investimento.

A sociedade composta por três sócios, decidiu pela exclusão de um deles alegando má administração na condução das atividades empresariais. Conforme autos, o sócio excluído teria investido R$ 250 mil na empresa, porém segundo estipulado em contrato, não haveria devolução do valor investido se ocorresse exclusão por justa causa antes de 24 meses, sendo devido apenas o pagamento da sua participação no capital social, fixado o percentual em 37% de R$ 100 mil.

O desembargador Azuma Nishi, relator da apelação, entendeu que com base no princípio da autonomia das partes, estas decidiram estipular o capital social como R$100 mil, sem considerar o investimento feito por cada sócio, demarcando assim, a responsabilidade pelos riscos inerentes ao negócio, “não havendo que censurar tal prática, pois é da essência da atividade do empresário o dimensionamento de riscos, inclusive quanto ao montante do capital social, que é a garantia do comprometimento dos sócios em relação à sociedade, como da sociedade em relação a terceiros”, afirmou.

“As partes estavam cientes sobre o risco do empreendimento e sobre as consequências advindas do fato de se fixar o capital social em valor inferior ao investimento efetivamente aportado, o que acarreta o pagamento de haveres de acordo com a participação no capital social e não propriamente levando em conta o investimento aportado pelo sócio”, destacou o magistrado. “Em resumo, o recurso dos réus é provido, a fim de julgar improcedente a demanda, visto que é válido o regramento contratual de pagamento de haveres do sócio excluído na proporção de sua participação no capital social e não com base nos valores investidos pelo sócio retirante na sociedade.”

Votação unânime.

Apelação nº 1005431-45.2014.8.26.0248

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais

Empresa é condenada em danos morais e materiais por não ter afastado empregada gestante do trabalho presencial, durante a pandemia

Tribunal Regional da 11ª Região reconhece culpa recíproca entre empregadora e trabalhadora gestante, vítima fatal da COVID-19, que apesar de ter sido imprudente ao não usar máscara protetiva em diversas situações, foi obrigada a executar atividades laborais presenciais, mesmo diante da legislação que proíbe tal situação, contraindo, assim, o vírus. Destaca-se que há Projeto de Lei em trâmite no Senado Federal com o objetivo de regulamentar o assunto de forma mais adequada.

Leia mais