Após derrubada do veto presidencial, pagamentos por serviços ambientais ficam isentos de tributação

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Foi promulgado pelo poder executivo, na data de 10 de junho de 2021, parte anteriormente vetada da Lei nº 14.119/2021. O texto promulgado determina que os valores recebidos a título de pagamento por serviços ambientais não integram a base de cálculo do Imposto sobre a Renda e Proventos de Qualquer Natureza, da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), da Contribuição para os Programas de Integração Social e de Formação do Patrimônio do Servidor Público (PIS/Pasep) e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins).

Ou seja, com a derrubada do veto, retorna à Lei a isenção tributária sobre os pagamentos por serviços ambientais. Além disso, mantem-se a isenção aplicada somente aos contratos realizados pelo poder público ou, se firmados entre particulares, desde que registrados no Cadastro Nacional de Pagamento por Serviços Ambientais (CNPSA).

Reforça-se que o pagamento por serviços ambientais está definido no art. 2º do mesmo dispositivo legal como sendo transação de natureza voluntária, mediante a qual um pagador de serviços ambientais transfere a um provedor desses serviços recursos financeiros ou outra forma de remuneração, nas condições acertadas, respeitadas as disposições legais e regulamentares pertinentes. Entre as modalidades, destaca-se a compensação vinculada a certificado de redução de emissões por desmatamento e degradação, títulos verdes, dentre outros (art. 3º da Lei nº 14.119/2021).

O veto partiu do governo federal que justificou o posicionamento pelo argumento de que tal isenção incorreria em vício de inconstitucionalidade, por violar o princípio da tributação segundo a capacidade econômica do contribuinte. 

A Lei nº 14.119/2021 implantou o Programa Nacional de Pagamentos por Serviços Ambientais (PNPSA) objetivando-se à promoção de medidas de manutenção e recuperação da cobertura vegetal em áreas de preservação. Os pagamentos por serviços ambientais são um dos instrumentos para valorizar o desenvolvimento socioeconômico, ambiental e cultural das populações nativas e produtores rurais, por exemplo, fomentando o desenvolvimento sustentável pelo incentivo da criação de um mercado de serviços ambientais.

Partindo dessa premissa, a derrubada do veto pelo poder legislativo mostra-se uma decisão acertada ao garantir maior atratividade para os agentes públicos e privados em adotar as medidas dispostas no texto legal.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais

Empresa é condenada em danos morais e materiais por não ter afastado empregada gestante do trabalho presencial, durante a pandemia

Tribunal Regional da 11ª Região reconhece culpa recíproca entre empregadora e trabalhadora gestante, vítima fatal da COVID-19, que apesar de ter sido imprudente ao não usar máscara protetiva em diversas situações, foi obrigada a executar atividades laborais presenciais, mesmo diante da legislação que proíbe tal situação, contraindo, assim, o vírus. Destaca-se que há Projeto de Lei em trâmite no Senado Federal com o objetivo de regulamentar o assunto de forma mais adequada.

Leia mais
discriminatória

Dispensa imotivada de portadora de câncer foi reconhecida como discriminatória pelo TRT da 2ª Região

A 15ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, reconheceu como dispensa de caráter discriminatório, uma rescisão de contrato de trabalho na modalidade imotivada de uma trabalhadora portadora de câncer, cujo tratamento envolveu cirurgia e quimioterapia e um longo período de recuperação, e que teve o contrato rescindido logo após o retorno do afastamento previdenciário, que se prolongou por mais de 2 (dois) anos.

Leia mais