Imóvel indivisível em copropriedade pode ser leiloado, mas penhora só deve recair sobre cota do devedor

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

O direito de propriedade deve ser assegurado à parte que não é devedora nos processos de execução judicial, quando do leilão de imóvel indivisível registrado em regime de copropriedade. É permitida a alienação integral do imóvel, garantindo-se ao coproprietário não devedor a arrematação do bem ou a preservação do seu patrimônio, nos casos de conversão em dinheiro. 

Ao reformar acórdão do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT) que indeferiu pedido de leilão judicial de imóvel indivisível, a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) estabeleceu o entendimento. No caso em tela, a penhora recaiu sobre a metade do bem, ou seja, a cota-parte do devedor. 

A Ministra Nancy Andrighi, relatora do recurso, afirma que “Ao coproprietário do bem indivisível até podem ser impostas a extinção do condomínio e a conversão de seu direito real de propriedade pelo equivalente em dinheiro – por uma necessidade de conferir eficiência ao processo executivo –, porém, até que isso ocorra, quando ultimada a alienação judicial, sua parcela do bem deve permanecer livre e desembaraçada”. 

Ainda, segundo a Ministra, o não devedor, tem o direito de preferência na arrematação do imóvel, caso não queira perder sua propriedade. Além disso, não exercendo essa prerrogativa, conserva-se o direito de liquidação da sua cota-parte no valor de avaliação do imóvel. 

Destaca que após o CPC/2015, a oposição de embargos de terceiro pelo cônjuge ou coproprietário que não são partes da execução, tornou-se desnecessária, visto que a lei passou a conferir proteção automática do patrimônio. Basta que sejam intimados da penhora e alienação judicial, a fim de que se manifestem no processo, em respeito aos princípios do processo legal e contraditório. 

Em seu voto, a Ministra ainda lembrou que a penhora é gravame imposto pela Justiça, com o objetivo de realizar, de forma coercitiva, o direito do credor, importando na individualização, apreensão e deposito dos bens do devedor.

“É indubitável que esse gravame judicial não pode ultrapassar o patrimônio do executado ou de eventuais responsáveis pelo pagamento do débito, seja qual for a natureza dos bens alcançados”, concluiu a relatora ao reformar o acórdão do TJDFT e autorizar a alienação judicial da integralidade do imóvel. 

A decisão pode ser consultada no REsp1818926 

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Projetos sociais

Projetos sociais nas empresas: impactos e alternativas de regulamentação

Muitas empresas exercem ou querem exercer ações sociais de cunho filantrópico, utilizando dos seus próprios serviços e produtos para irem além dos aspectos econômicos, com projetos que beneficiam o meio ambiente, agricultores e trabalhadores rurais e que impactam diretamente comunidades e instituições que necessitam de amparo.
Contudo, apesar das práticas sociais estarem ligadas aos valores de determinadas empresas, a sua estruturação requer bastante cautela e apoio jurídico para que não haja impactos trabalhistas, empresariais e tributários que possam, muitas vezes, desacelerar ou até mesmo impossibilitar esse compromisso com a sociedade.

Leia mais
Marco Legal

Câmara aprova MP que cria marco legal da securitização

Foi aprovada pela Câmara dos Deputados no dia 15 de junho de 2022, a medida provisória editada em março pelo governo federal que cria, atualiza e define regras para securitização dos direitos creditórios (conversão de créditos a receber em títulos a serem comercializados) e, também, cria a Letra de Risco de Seguro.

Leia mais