Imóvel indivisível em copropriedade pode ser leiloado, mas penhora só deve recair sobre cota do devedor

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

O direito de propriedade deve ser assegurado à parte que não é devedora nos processos de execução judicial, quando do leilão de imóvel indivisível registrado em regime de copropriedade. É permitida a alienação integral do imóvel, garantindo-se ao coproprietário não devedor a arrematação do bem ou a preservação do seu patrimônio, nos casos de conversão em dinheiro. 

Ao reformar acórdão do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT) que indeferiu pedido de leilão judicial de imóvel indivisível, a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) estabeleceu o entendimento. No caso em tela, a penhora recaiu sobre a metade do bem, ou seja, a cota-parte do devedor. 

A Ministra Nancy Andrighi, relatora do recurso, afirma que “Ao coproprietário do bem indivisível até podem ser impostas a extinção do condomínio e a conversão de seu direito real de propriedade pelo equivalente em dinheiro – por uma necessidade de conferir eficiência ao processo executivo –, porém, até que isso ocorra, quando ultimada a alienação judicial, sua parcela do bem deve permanecer livre e desembaraçada”. 

Ainda, segundo a Ministra, o não devedor, tem o direito de preferência na arrematação do imóvel, caso não queira perder sua propriedade. Além disso, não exercendo essa prerrogativa, conserva-se o direito de liquidação da sua cota-parte no valor de avaliação do imóvel. 

Destaca que após o CPC/2015, a oposição de embargos de terceiro pelo cônjuge ou coproprietário que não são partes da execução, tornou-se desnecessária, visto que a lei passou a conferir proteção automática do patrimônio. Basta que sejam intimados da penhora e alienação judicial, a fim de que se manifestem no processo, em respeito aos princípios do processo legal e contraditório. 

Em seu voto, a Ministra ainda lembrou que a penhora é gravame imposto pela Justiça, com o objetivo de realizar, de forma coercitiva, o direito do credor, importando na individualização, apreensão e deposito dos bens do devedor.

“É indubitável que esse gravame judicial não pode ultrapassar o patrimônio do executado ou de eventuais responsáveis pelo pagamento do débito, seja qual for a natureza dos bens alcançados”, concluiu a relatora ao reformar o acórdão do TJDFT e autorizar a alienação judicial da integralidade do imóvel. 

A decisão pode ser consultada no REsp1818926 

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais

Empresa é condenada em danos morais e materiais por não ter afastado empregada gestante do trabalho presencial, durante a pandemia

Tribunal Regional da 11ª Região reconhece culpa recíproca entre empregadora e trabalhadora gestante, vítima fatal da COVID-19, que apesar de ter sido imprudente ao não usar máscara protetiva em diversas situações, foi obrigada a executar atividades laborais presenciais, mesmo diante da legislação que proíbe tal situação, contraindo, assim, o vírus. Destaca-se que há Projeto de Lei em trâmite no Senado Federal com o objetivo de regulamentar o assunto de forma mais adequada.

Leia mais
discriminatória

Dispensa imotivada de portadora de câncer foi reconhecida como discriminatória pelo TRT da 2ª Região

A 15ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, reconheceu como dispensa de caráter discriminatório, uma rescisão de contrato de trabalho na modalidade imotivada de uma trabalhadora portadora de câncer, cujo tratamento envolveu cirurgia e quimioterapia e um longo período de recuperação, e que teve o contrato rescindido logo após o retorno do afastamento previdenciário, que se prolongou por mais de 2 (dois) anos.

Leia mais