Conselho Nacional de Justiça (CNJ) analisará autenticação digital feita por cartórios

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Após um ano da autorização para os cartórios realizarem autenticações digitais de documentos, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) analisa um pedido de providências que poderá impactar a prestação de serviços cartorários no país. 

O CJN tomou a iniciativa da abertura deste processo após um cartório localizado na Paraíba iniciar a prática de autenticação de documentos sem a prévia análise dos documentos originais.

A decisão do CNJ será importante considerando que a autenticação de documentos tem sido um dos serviços mais procurados junto aos cartórios de notas, segundo o Colégio Notarial do Brasil (CNB). 

Pelo provimento do CNJ nº 100, de maio de 2020, se o documento original for físico, ele ainda terá que ser entregue pessoalmente no cartório. Após a entrega, poderá ser autenticado no formato PDF, com uma tarja em “blockchain”, que é um tipo de base de dados distribuída que guarda um registro de transações permanentes e à prova de violação, permitindo ainda o rastreio de documentos pela internet. Com a autenticação digital, o documento poderá ser enviado por e-mail, WhatsApp ou outro meio eletrônico para a concretização de negócios, com o mesmo valor legal do documento original. 

No CNJ, o Conselho Federal do Colégio Notarial do Brasil questiona as práticas do 1º Ofício de Registro Civil das Pessoas Naturais e de Interdições e Tutelas da Comarca de João Pessoa (número no CNJ 0000223-5.2021.2.00.0000). O Colégio Notarial alega que o tabelião utiliza o suporte tecnológico da “VS Datta Imagem para o Cartório Azevêdo Bastos” e não o sistema e-Notariado, plataforma fornecida pelo CNB, descumprindo o Provimento do CNJ nº 100.

De acordo com o Colégio Notarial, a prática adotada pelo cartório viola a Lei Federal nº 8.935 de 1.994, na medida em que ao autenticar documentos recebidos de forma digitalizada, não há conferência com o original, bem como ao autenticar documentos de vários Estados, o mesmo afrontaria o princípio da territorialidade dos cartórios. 

Em 23 de abril de 2021, o CNJ enviou ofício para a Corregedoria Geral de Justiça do Estado da Paraíba para apurar os fatos em 60 dias. Ocorre que o cartório alega que seus investimentos em tecnologia são antigos, desde os anos 80, e somente passou a incomodar quando passou a receber serviços que poderiam ser feitos por outros cartórios. 

Já a presidente do Colégio Notarial do Brasil, afirma que somente o sistema e-Notariado é acompanhado e fiscalizado pelo CNJ. Inclusive, segunda ela, o problema principal não é a territorialidade, e sim a ausência do documento original no momento da autenticação. 

Por fim, o Provimento nº 100 do CNJ estabeleceu regras que devem ser observadas, não devendo haver a usurpação territorial entre os cartórios, de forma a se preservar o equilíbrio econômico-financeiro em todo o território nacional, através do uso da plataforma e-Notariado, a qual possui a devida segurança por ser regulamenta pelo CNJ. Com tais medidas objetiva-se minimizar os riscos atrelados à ausência de fronteiras no mundo digital.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais

Empresa é condenada em danos morais e materiais por não ter afastado empregada gestante do trabalho presencial, durante a pandemia

Tribunal Regional da 11ª Região reconhece culpa recíproca entre empregadora e trabalhadora gestante, vítima fatal da COVID-19, que apesar de ter sido imprudente ao não usar máscara protetiva em diversas situações, foi obrigada a executar atividades laborais presenciais, mesmo diante da legislação que proíbe tal situação, contraindo, assim, o vírus. Destaca-se que há Projeto de Lei em trâmite no Senado Federal com o objetivo de regulamentar o assunto de forma mais adequada.

Leia mais
discriminatória

Dispensa imotivada de portadora de câncer foi reconhecida como discriminatória pelo TRT da 2ª Região

A 15ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, reconheceu como dispensa de caráter discriminatório, uma rescisão de contrato de trabalho na modalidade imotivada de uma trabalhadora portadora de câncer, cujo tratamento envolveu cirurgia e quimioterapia e um longo período de recuperação, e que teve o contrato rescindido logo após o retorno do afastamento previdenciário, que se prolongou por mais de 2 (dois) anos.

Leia mais