Após homologação do plano de recuperação judicial, habilitação retardatária do crédito é faculdade do credor

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Ainda no campo da nova lei de recuperação judicial e falências, uma nova decisão vem para pacificar mais um dos entendimentos controversos sobre a nova lei, neste caso a respeito dos créditos em discussão.

Recentemente foi fixado pela Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ao reformar acórdão do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, a possibilidade ao credor de crédito voluntariamente excluído do plano de recuperação a faculdade de optar pela habilitação do crédito ou não no plano.

Trata-se de recuperação judicial na qual o credor optou por não arrolar o montante devido ao quadro geral de credores com o intuito de prosseguir com a execução individual após o encerramento da recuperação. Cumpre instar que, neste sentido, inclusive, não foi feita a reserva de valores pelo administrador judicial.

O TJRS, em decisão colegiada, reconheceu a faculdade do credor retardatário de decidir sobre a submissão de seu crédito à recuperação, no entanto, determinou que o crédito fosse obrigatoriamente habilitado com o argumento de que o mesmo havia sido constituído antes da recuperação e, portanto, teria natureza concursal.

No julgamento do Recurso Especial, o relator do recurso, ministro Luis Felipe Salomão, ressaltou que a legislação estabeleceu um rito específico que permite ao credor assumir um posicionamento na recuperação para o recebimento do que lhe é devido. Desta forma, caso não haja impugnação, o juiz da recuperação homologará a relação apresentada pelo administrador judicial. 

Nesta toada, frisou os termos do artigo 10, parágrafo 6º, da Lei 11.101/2005, o qual define que, após a homologação do quadro geral de credores, aqueles que não tiverem habilitado o seu crédito poderão requerer a inclusão ao juízo da falência ou da recuperação, mediante a retificação da relação.

Deste modo, segundo aduzido pelo ministro, a lei prevê a faculdade e não a obrigatoriedade da habilitação retardatária.

Com a decisão, firma-se a tese de que não é possível impor ao credor retardatário a submissão de seu crédito ao quadro de credores, ainda que o plano preveja a inclusão de créditos semelhantes, ficando à sua liberalidade a escolha acerca de sua habilitação no processo ou não.

REsp1851692

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Depressão

Depressão não é reconhecida como doença de origem ocupacional pelo TST

O Tribunal Superior do Trabalho reverteu decisão que havia considerado a responsabilidade objetiva de uma companhia aérea e reconhecida como doença de ordem ocupacional, o quadro depressivo desenvolvido pela trabalhadora enquanto exercia o cargo de comissária de bordo. A decisão se sustentou nas provas contidas nos autos, uma vez que o laudo pericial específico não identificou o nexo de causalidade entre a doença alegada e as atividades desempenhadas, muito menos a incapacidade laboral da trabalhadora.

Leia mais
Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais