É vedado o bloqueio de valores via sistema Bacen Jud de quem não foi previamente citado

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Com este entendimento, a 7ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região deu provimento unânime à apelação de uma Cooperativa de produtores rurais de Minas Gerais. 

No caso em tela, os produtores recorreram à justiça com o intuito de desfazer bloqueio judicial via Bacen Jud, alegando descontos indevidos de valores de sua conta bancária sem prévia citação nos autos da ação de execução, ou seja, sem serem notificados de que deveriam realizar o pagamento determinado pelo Juízo. 

O recurso foi analisado pelo Desembargador Federal Hercules Fajoses, que enfatizou o já consolidado entendimento jurisprudencial, tanto do TRF1 quanto do Superior Tribunal de Justiça (STJ), no sentido de proibir bloqueio de ativos financeiros e indisponibilidade de bens de quem não foi previamente citado. 

A citação tem como objetivo dar ciência da cobrança ao executado, dando-lhe a oportunidade para pagamento da dívida ou nomear bens à penhora. 

“Assim, o bloqueio de valores via sistema Bacen Jud antes da citação válida do devedor constitui ofensa à lei e ao devido processo legal”, concluiu o relator ao finalizar o voto.

A decisão pode ser consultada no processo nº: 1017731-94.2018.4.01.0000

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Projetos sociais

Projetos sociais nas empresas: impactos e alternativas de regulamentação

Muitas empresas exercem ou querem exercer ações sociais de cunho filantrópico, utilizando dos seus próprios serviços e produtos para irem além dos aspectos econômicos, com projetos que beneficiam o meio ambiente, agricultores e trabalhadores rurais e que impactam diretamente comunidades e instituições que necessitam de amparo.
Contudo, apesar das práticas sociais estarem ligadas aos valores de determinadas empresas, a sua estruturação requer bastante cautela e apoio jurídico para que não haja impactos trabalhistas, empresariais e tributários que possam, muitas vezes, desacelerar ou até mesmo impossibilitar esse compromisso com a sociedade.

Leia mais
Marco Legal

Câmara aprova MP que cria marco legal da securitização

Foi aprovada pela Câmara dos Deputados no dia 15 de junho de 2022, a medida provisória editada em março pelo governo federal que cria, atualiza e define regras para securitização dos direitos creditórios (conversão de créditos a receber em títulos a serem comercializados) e, também, cria a Letra de Risco de Seguro.

Leia mais