Possuidor não está isento de pagar pelo uso do imóvel enquanto exerce direito de retenção por benfeitorias

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

O Superior Tribunal de Justiça, por meio do julgamento do Recurso Especial 1.854.120 – PR, reformou acórdão do Tribunal de Justiça do Paraná que havia isentado o comprador de um imóvel do pagamento de aluguéis pelo período em que exerceu o direito de retenção por benfeitorias.

Com relação ao direito de retenção é o direito que o locatário tem de reter ou permanecer no imóvel locado. A regra geral é a de que o locatário possa exercer o direito de retenção a fim de obter o ressarcimento pelas benfeitorias necessárias. 

O STJ entendeu que, no caso de resolução de contrato de compra e venda de imóvel, ainda que o comprador possua o direito de retenção por benfeitorias, é devido o pagamento de aluguel ou taxa de ocupação ao vendedor pelo tempo em que se desfrutou do bem.

A Ministra Relatora explicou que as benfeitorias são bens acessórios acrescentados ao imóvel pela pessoa que detém sua posse, com a finalidade de aperfeiçoar seu uso, evitar que se deteriore ou se destrua, ou, ainda, de embelezá-lo ou torná-lo mais agradável. Tais melhorias introduzidas pelo possuidor direto podem suceder para o patrimônio do proprietário, quando o bem principal retorna à sua posse.

Desse modo, nos termos do Art. 1.219 do Código Civil, o possuidor de boa-fé tem direito à indenização pelas benfeitorias necessárias e úteis que realizou, bem como à retenção do bem principal, não sendo obrigado a devolvê-lo até que o crédito referente às benfeitorias seja adimplido.

Além disso, observou a relatora que a jurisprudência do STJ é pacífica no sentido de que a utilização do imóvel objeto do contrato de compra e venda enseja o pagamento de aluguéis ou de taxa de ocupação pelo tempo de permanência, independentemente de quem tenha sido o causador do desfazimento do negócio, nem sequer sendo necessária a aferição da boa-fé ou não do adquirente na posse do imóvel, evitando-se, assim, o enriquecimento sem causa. Por fim, o crédito que o comprador possui pelas benfeitorias deve ser compensado com os valores referentes aos aluguéis ou à taxa de ocupação, cujo entendimento advém da aplicação analógica do Art. 1.221 do Código Civil, que informa que ”as benfeitorias compensam-se com os danos”.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Depressão

Depressão não é reconhecida como doença de origem ocupacional pelo TST

O Tribunal Superior do Trabalho reverteu decisão que havia considerado a responsabilidade objetiva de uma companhia aérea e reconhecida como doença de ordem ocupacional, o quadro depressivo desenvolvido pela trabalhadora enquanto exercia o cargo de comissária de bordo. A decisão se sustentou nas provas contidas nos autos, uma vez que o laudo pericial específico não identificou o nexo de causalidade entre a doença alegada e as atividades desempenhadas, muito menos a incapacidade laboral da trabalhadora.

Leia mais
Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais