CNJ aprova criação de cadastro de administradores judiciais

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

No último dia 18, o Conselho Nacional de Justiça aprovou resolução nº 393, determinando aos Tribunais de Justiça que criem, em 60 dias, um cadastro de administradores judiciais, com o objetivo de auxiliar os juízes nos processos de Recuperação Judicial e Falência. 

O cadastro deve ser disponibilizado no site de cada Tribunal, ser renovado anualmente e deve ter a divulgação dos profissionais aptos a exercer a função. 

O administrador é nomeado pelo juiz para conduzir o processo da Recuperação Judicial, e de acordo com a Lei de Falências deve ser um advogado, economista, administrador, contador ou pessoa jurídica especializada. 

Além disso, foi aprovada também uma resolução para facilitar a cooperação internacional com a Justiça estrangeira nos casos de falência. A medida permitirá a comunicação direta para julgamento de insolvências transnacionais.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Depressão

Depressão não é reconhecida como doença de origem ocupacional pelo TST

O Tribunal Superior do Trabalho reverteu decisão que havia considerado a responsabilidade objetiva de uma companhia aérea e reconhecida como doença de ordem ocupacional, o quadro depressivo desenvolvido pela trabalhadora enquanto exercia o cargo de comissária de bordo. A decisão se sustentou nas provas contidas nos autos, uma vez que o laudo pericial específico não identificou o nexo de causalidade entre a doença alegada e as atividades desempenhadas, muito menos a incapacidade laboral da trabalhadora.

Leia mais
Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais