Dano material e concessão de convênio médico vitalício em acidentes de trabalho

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

De acordo com o quanto contido no artigo 19 da Lei n° 8.213/91,” acidente de trabalho é o que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço da empresa ou pelo exercício do trabalho dos segurados referidos no inciso VII do art. 11 desta Lei, provocando lesão corporal ou perturbação funcional que cause a morte ou a perda ou a redução, permanente ou temporária, da capacidade para o trabalho”. 

Frisa-se que a legislação pátria é expressa quanto à equiparação das doenças profissionais e/ou do trabalho, comumente conhecidas como ocupacionais, ao acidente de trabalho conceituado acima. 

Neste sentido, cumpre ressaltar que não há divergência considerável na doutrina e jurisprudência quanto à existência de responsabilidade civil dos empregadores quando da ocorrência de acidentes de trabalho e/ou surgimento de doença profissional ou do trabalho. 

Salvo naqueles casos em que o trabalho do empregado, por si só, o expõe habitualmente à situação de risco acentuado, esta responsabilidade civil é considerada subjetiva e, portanto, se faz necessária a comprovação do dano efetivo, ilicitude na conduta do empregador e a causalidade entre esta e o referido dano. 

Quando os danos são oriundos de acidente de trabalho típico, se discute mais a extensão das lesões e o grau de culpabilidade do empregador na ocorrência do incidente. A prova se torna ainda mais imprescindível quando da alegação de surgimento de doença profissional e/ou ocupacional, uma vez que se faz necessária a prova de causa ou concausa com as atividades laborais efetivamente exercidas. Em ambas as situações, o laudo pericial realizado por profissional devidamente habilitado e qualificado para tal é requisito obrigatório trazido pela legislação para definição da responsabilidade. 

Em recente decisão, o TRT da 2ª Região, ao julgar recursos ordinários interpostos por ambas as partes nos autos da RT 1000205-29.2019.5.02.0466, apesar de ter mantido o reconhecimento da Tendinopatia na qual o trabalhador se encontra acometido como de cunho ocupacional, determinou o pagamento dos danos materiais atribuídos ao evento dano em parcela única, reduzindo em 30% o valor inicialmente deferido em primeira instância, bem como reduziu os danos morais anteriormente arbitrados e excluiu da condenação a manutenção vitalícia do plano de saúde.

Desta decisão, é interessante ressaltar dois aspectos. 

O primeiro deles refere-se à aplicação do redutor de 30% sobre o valor originalmente atribuído aos danos materiais deferidos em primeira instância. Tal redução se deu, primordialmente, pelo deferimento do montante de R$ 319.966,84 em parcela única por parte da empregadora, o que beneficia o trabalhador, mas traz situação mais danosa à empresa, haja vista a necessidade de desembolsar de uma vez uma quantia que poderia ser paga em parcelas mais suaves ao longo de terminado período. 

O outro ponto que merece destaque é que o E. Tribunal excluiu da condenação, a manutenção do convênio médico de forma vitalícia que havia sido deferida em sentença. 

Em primeiro grau, o Magistrado deferiu tal pleito sob o argumento primário de que a empresa teria que arcar com todas as despesas que o trabalhador teria ao longo da sua vida em razão da contração da doença, em atendimento ao princípio da restituição integral. Já em sede recursal, a Turma entendeu que não há qualquer tipo de previsão deste direito na legislação trabalhista pátria, sendo que os planos de saúde são oferecidos pelas empresas de forma espontânea e de modo a contribuir com a evolução social dos empregados. 

A única ressalva feita pelo Tribunal neste aspecto foi no sentido de ressaltar a previsão taxativa de que, em caso de rescisão contratual, seja assegurado ao empregado o direito de se manter como benefício do convênio médico, desde que arque integralmente com o respectivo custeio, sendo este o direito do trabalhador acometido por doença ocupacional em caso de rescisão do contrato de trabalho.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Depressão

Depressão não é reconhecida como doença de origem ocupacional pelo TST

O Tribunal Superior do Trabalho reverteu decisão que havia considerado a responsabilidade objetiva de uma companhia aérea e reconhecida como doença de ordem ocupacional, o quadro depressivo desenvolvido pela trabalhadora enquanto exercia o cargo de comissária de bordo. A decisão se sustentou nas provas contidas nos autos, uma vez que o laudo pericial específico não identificou o nexo de causalidade entre a doença alegada e as atividades desempenhadas, muito menos a incapacidade laboral da trabalhadora.

Leia mais
Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais