Inclusão de devedor em cadastro de inadimplentes se estende às execuções fiscais

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Nas execuções fiscais, a pedido do credor, o juiz deve autorizar a inclusão do nome do devedor no cadastro de inadimplentes independente do esgotamento de outras medidas executivas e apenas poderá ser indeferida caso o magistrado tenha dúvida razoável sobre a existência da dívida. Com este entendimento a Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu acerca de julgamento de recurso especial repetitivo (Tema 1.026). 

Trata-se de recurso repetitivo acerca de discussão sobre a aplicabilidade do artigo 782, parágrafo 3º do CPC às execuções de título judicial ou extrajudicial, mais especificamente, às execuções fiscais.

O entendimento adotado pelo tribunal, conforme exposto pelo relator ministro Og Fernandes, é de que o artigo 782, parágrafo 3º, do CPC – comumente aplicado em casos equivalentes – ao estabelecer que o juiz pode, a requerimento da parte, determinar a inclusão do nome do executado em cadastros de inadimplentes, é destinado às execuções de títulos extrajudiciais.

Nesta toada, o magistrado destacou ainda que o CPC possui aplicação subsidiária nas execuções fiscais, portanto, podendo ser adotado o mesmo entendimento às execuções de natureza fiscal: “Em suma, tramitando uma execução fiscal e sendo requerida a negativação do executado com base no art. 782, § 3º, do CPC, o magistrado deverá deferi-la, salvo se vislumbrar alguma dúvida razoável à existência do direito ao crédito previsto na Certidão de Dívida Ativa – CDA, a exemplo da prescrição, da ilegitimidade passiva ad causam, ou outra questão identificada no caso concreto.”

Ao fixar a tese, o ministro também apontou que a anotação do nome da parte executada em cadastro de inadimplentes pode ser determinada antes de exaurida a busca por bens penhoráveis, contudo, desde que esta considere o princípio da menor onerosidade da execução.

Com a decisão, poderão retornar ao trâmite processual todos os casos objetos de medida suspensiva, tais como os agravos de instrumento nos Tribunais de Justiça e Tribunais Regionais Federais, bem como os recursos especiais e agravos em recurso especial com objeto semelhante ao do repetitivo julgado, que aguardavam até então a solução da controvérsia.

RECURSO ESPECIAL Nº 1.807.180 – PR (2019/0093736-8)

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais

Empresa é condenada em danos morais e materiais por não ter afastado empregada gestante do trabalho presencial, durante a pandemia

Tribunal Regional da 11ª Região reconhece culpa recíproca entre empregadora e trabalhadora gestante, vítima fatal da COVID-19, que apesar de ter sido imprudente ao não usar máscara protetiva em diversas situações, foi obrigada a executar atividades laborais presenciais, mesmo diante da legislação que proíbe tal situação, contraindo, assim, o vírus. Destaca-se que há Projeto de Lei em trâmite no Senado Federal com o objetivo de regulamentar o assunto de forma mais adequada.

Leia mais
discriminatória

Dispensa imotivada de portadora de câncer foi reconhecida como discriminatória pelo TRT da 2ª Região

A 15ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, reconheceu como dispensa de caráter discriminatório, uma rescisão de contrato de trabalho na modalidade imotivada de uma trabalhadora portadora de câncer, cujo tratamento envolveu cirurgia e quimioterapia e um longo período de recuperação, e que teve o contrato rescindido logo após o retorno do afastamento previdenciário, que se prolongou por mais de 2 (dois) anos.

Leia mais