Justiça mantém posse de áreas rurais após tentativa de revisão de Contrato de Parceria Agrícola

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

A 1ª Vara de Cerqueira César/SP concedeu liminar para manter a posse de um produtor em áreas rurais da região, após apurar risco de prejuízo econômico em tentativa de revisão e rescisão de Contrato de Parceria Agrícola firmado entre o produtor e o proprietário. 

O contrato de Parceria Agrícola cedia a posse de duas áreas rurais, conhecidas como Fazenda Terezinha, ao produtor e previa como pagamento pela parceria o volume de 42 sacas de soja a serem plantadas na área um, e 42 toneladas de cana-de-açúcar a serem plantadas na área dois, tendo como data inicial para pagamento o dia 01/03/2019. 

Todos os pagamentos foram realizados pelo produtor. No entanto, após a alta do valor da soja, a proprietária solicitou que o pagamento fosse feito em soja, e não mais em cana-de-açúcar conforme estipulado no contrato, alegando ter havido erro na contratação e solicitando a formalização de um Aditivo para alteração da forma de pagamento.

Após o produtor ingressar na justiça, a juíza Roberta de Oliveira Ferreira Lima, deferiu a Tutela Provisória, determinando que o produtor fosse mantido na posse das duas áreas objeto do Contrato de Parceria, e que permaneça utilizando a terra conforme estipulado no Contrato até que seja instituído o tribunal arbitral, sob pena de multa diária de R$ 5.000,00 (cinco mil reais). 

Vale ressaltar que embora o contrato tenha sido nomeado de parceria agrícola, possui natureza de arrendamento, vez que prevê o pagamento independentemente do resultado do empreendimento. Um Contrato de Parceria pressupõe o compartilhamento dos riscos e frutos em proporções, conforme previsão em contrato e limitadores constantes na legislação.

Processo nº. 1000541-64.2021.8.26.0136

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais

Empresa é condenada em danos morais e materiais por não ter afastado empregada gestante do trabalho presencial, durante a pandemia

Tribunal Regional da 11ª Região reconhece culpa recíproca entre empregadora e trabalhadora gestante, vítima fatal da COVID-19, que apesar de ter sido imprudente ao não usar máscara protetiva em diversas situações, foi obrigada a executar atividades laborais presenciais, mesmo diante da legislação que proíbe tal situação, contraindo, assim, o vírus. Destaca-se que há Projeto de Lei em trâmite no Senado Federal com o objetivo de regulamentar o assunto de forma mais adequada.

Leia mais