Empresários manifestam-se a favor de maior “ambição climática” do Governo Federal

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Conforme apurado pelo Valor Econômico em abril (anteriormente à Cúpula de Líderes Climáticos), um grupo formado por líderes de dezenas de empresas formalizou em carta o pedido para que o governo brasileiro demonstre maior ambição climática. A expectativa é de que o país atinja a neutralidade de emissões em 2050, dez anos antes da data anunciada pelo governo no final do ano passado.

Em dezembro de 2020, o Brasil se comprometeu em atingir a descarbonização da economia em 2060, com possibilidade de antecipação desse prazo caso o país receba recursos de US$ 10 bilhões. Para os empresários signatários da carta, o governo brasileiro teria capacidade de atingir tal meta dez anos antes sem estar condicionado ao recebimento de recursos externos.

Segundo o grupo, uma maior ambição do Estado na descarbonização da economia geraria ganhos ambientais e reputacionais o que, por consequência, se refletiria em ganhos econômicos e comerciais ao permitir investimentos e oportunidades de negócio em soluções que estejam consonantes à preservação da natureza.

Dentre os empresários que assinaram o manifesto estão líderes de diversos ramos da economia, inclusive da indústria e do agronegócio. O ato demonstra o direcionamento do capital internacional – acompanhando o governo de algumas potências globais – em prol da conservação ambiental e da redução dos danos causados pela poluição desenfreada experimentada nos últimos séculos.

Mais uma vez, o governo brasileiro encontra-se em uma posição delicada já que as repetidas ações de violência e a ingerência para com o meio ambiente coloca o Brasil em um contexto de isolamento diplomático, podendo impactar a economia e o desenvolvimento do país como um todo.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Depressão

Depressão não é reconhecida como doença de origem ocupacional pelo TST

O Tribunal Superior do Trabalho reverteu decisão que havia considerado a responsabilidade objetiva de uma companhia aérea e reconhecida como doença de ordem ocupacional, o quadro depressivo desenvolvido pela trabalhadora enquanto exercia o cargo de comissária de bordo. A decisão se sustentou nas provas contidas nos autos, uma vez que o laudo pericial específico não identificou o nexo de causalidade entre a doença alegada e as atividades desempenhadas, muito menos a incapacidade laboral da trabalhadora.

Leia mais
Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais