Internet das coisas avança na agricultura

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Estudos confirmam que a conexão digital de equipamentos e máquinas agrícolas vem crescendo cada dia mais, tendo os produtores buscado tecnologias visando a melhoria de suas produções e a redução de custos. Uma prova desse crescimento é o aumento significativo de drones conectados para uso nas lavouras.

A consultoria irlandesa Research and Markets afirmou que “Há uma pressão cada vez maior pela melhoria de produtividade e pela redução de custos no campo, o que cria oportunidades para fabricantes de tecnologia de agricultura inteligente”. Ainda segundo a consultoria, a indústria da agricultura conectada terá um ritmo de crescimento de 9,4% ao ano entre o período de 2020 e 2027, movimentando US$ 18,7 bilhões.

Apesar do relatório da pesquisa feita em 2021 por outra consultoria, Meticulous Research, prever leve declínio de 0,8% no mercado de internet das coisas, em relação ao ano passado, em decorrência da pandemia – por ter interrompido a cadeia de produção de empresas que fornecem tecnologias – o mercado de internet das coisas voltado à agricultura deve retomar seu crescimento em 2022, sendo prevista a movimentação de aproximadamente US$ 32,75 bilhões no segmento em 2027. O montante representa um avanço anual de 15,2% a partir do patamar de 2019. Referida consultoria ainda afirma que: “Com o impulso de políticas governamentais, o setor agrícola deve investir em atualizações tecnológicas e incorporar soluções de internet das coisas como parte de sua estratégia de aumento de produção”. 

Já a consultoria americana Reportlinker, atualizou suas projeções e de acordo com o relatório, serão movimentados US$ 21 bilhões pelo segmento no mundo até o final de 2025.

Cumpre frisar que não há como comparar as previsões das consultorias entre si, considerando que cada uma trabalha com uma base de dados específica e consideram intervalos de tempo diferentes. Entretanto, todas concordam com o potencial avanço deste mercado. 

O conglomerado francês de tecnologia Atos informou, nesta quinta-feira, que será o coordenador programa do FlexiGroBots da União Europeia que tem como objetivo disseminar o uso de robôs para o cultivo de alimentos. Na sequência a AppHarvest dos Estados Unidos, anunciou a formalização da compra da Root AI, tecnologia que desenvolve robôs para a produção agrícola. 

A ascensão da internet das coisas nas lavouras além de criar mercado para as fabricantes de equipamentos conectados, também significa a melhoria da infraestrutura de conexão, pois essas tecnologias exigem, por exemplo, redes de comunicação com mais alcance e qualidade.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais

Empresa é condenada em danos morais e materiais por não ter afastado empregada gestante do trabalho presencial, durante a pandemia

Tribunal Regional da 11ª Região reconhece culpa recíproca entre empregadora e trabalhadora gestante, vítima fatal da COVID-19, que apesar de ter sido imprudente ao não usar máscara protetiva em diversas situações, foi obrigada a executar atividades laborais presenciais, mesmo diante da legislação que proíbe tal situação, contraindo, assim, o vírus. Destaca-se que há Projeto de Lei em trâmite no Senado Federal com o objetivo de regulamentar o assunto de forma mais adequada.

Leia mais
discriminatória

Dispensa imotivada de portadora de câncer foi reconhecida como discriminatória pelo TRT da 2ª Região

A 15ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, reconheceu como dispensa de caráter discriminatório, uma rescisão de contrato de trabalho na modalidade imotivada de uma trabalhadora portadora de câncer, cujo tratamento envolveu cirurgia e quimioterapia e um longo período de recuperação, e que teve o contrato rescindido logo após o retorno do afastamento previdenciário, que se prolongou por mais de 2 (dois) anos.

Leia mais