Internet das coisas avança na agricultura

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Estudos confirmam que a conexão digital de equipamentos e máquinas agrícolas vem crescendo cada dia mais, tendo os produtores buscado tecnologias visando a melhoria de suas produções e a redução de custos. Uma prova desse crescimento é o aumento significativo de drones conectados para uso nas lavouras.

A consultoria irlandesa Research and Markets afirmou que “Há uma pressão cada vez maior pela melhoria de produtividade e pela redução de custos no campo, o que cria oportunidades para fabricantes de tecnologia de agricultura inteligente”. Ainda segundo a consultoria, a indústria da agricultura conectada terá um ritmo de crescimento de 9,4% ao ano entre o período de 2020 e 2027, movimentando US$ 18,7 bilhões.

Apesar do relatório da pesquisa feita em 2021 por outra consultoria, Meticulous Research, prever leve declínio de 0,8% no mercado de internet das coisas, em relação ao ano passado, em decorrência da pandemia – por ter interrompido a cadeia de produção de empresas que fornecem tecnologias – o mercado de internet das coisas voltado à agricultura deve retomar seu crescimento em 2022, sendo prevista a movimentação de aproximadamente US$ 32,75 bilhões no segmento em 2027. O montante representa um avanço anual de 15,2% a partir do patamar de 2019. Referida consultoria ainda afirma que: “Com o impulso de políticas governamentais, o setor agrícola deve investir em atualizações tecnológicas e incorporar soluções de internet das coisas como parte de sua estratégia de aumento de produção”. 

Já a consultoria americana Reportlinker, atualizou suas projeções e de acordo com o relatório, serão movimentados US$ 21 bilhões pelo segmento no mundo até o final de 2025.

Cumpre frisar que não há como comparar as previsões das consultorias entre si, considerando que cada uma trabalha com uma base de dados específica e consideram intervalos de tempo diferentes. Entretanto, todas concordam com o potencial avanço deste mercado. 

O conglomerado francês de tecnologia Atos informou, nesta quinta-feira, que será o coordenador programa do FlexiGroBots da União Europeia que tem como objetivo disseminar o uso de robôs para o cultivo de alimentos. Na sequência a AppHarvest dos Estados Unidos, anunciou a formalização da compra da Root AI, tecnologia que desenvolve robôs para a produção agrícola. 

A ascensão da internet das coisas nas lavouras além de criar mercado para as fabricantes de equipamentos conectados, também significa a melhoria da infraestrutura de conexão, pois essas tecnologias exigem, por exemplo, redes de comunicação com mais alcance e qualidade.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Projetos sociais

Projetos sociais nas empresas: impactos e alternativas de regulamentação

Muitas empresas exercem ou querem exercer ações sociais de cunho filantrópico, utilizando dos seus próprios serviços e produtos para irem além dos aspectos econômicos, com projetos que beneficiam o meio ambiente, agricultores e trabalhadores rurais e que impactam diretamente comunidades e instituições que necessitam de amparo.
Contudo, apesar das práticas sociais estarem ligadas aos valores de determinadas empresas, a sua estruturação requer bastante cautela e apoio jurídico para que não haja impactos trabalhistas, empresariais e tributários que possam, muitas vezes, desacelerar ou até mesmo impossibilitar esse compromisso com a sociedade.

Leia mais
Marco Legal

Câmara aprova MP que cria marco legal da securitização

Foi aprovada pela Câmara dos Deputados no dia 15 de junho de 2022, a medida provisória editada em março pelo governo federal que cria, atualiza e define regras para securitização dos direitos creditórios (conversão de créditos a receber em títulos a serem comercializados) e, também, cria a Letra de Risco de Seguro.

Leia mais