O Depósito para Garantia do Juízo não Altera o Início do Prazo para Impugnação ao Cumprimento de Sentença

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

A Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça – STJ, por maioria de votos, manteve acórdão do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul – TJ/RS que considerou uma impugnação ao cumprimento de sentença apresentada dentro do prazo de 30 dias como tempestiva. 

A controvérsia discutia o termo inicial do prazo para apresentação da impugnação ao cumprimento de sentença, quando o executado comprova depósito judicial como forma de garantir o juízo. 

 O Credor pleiteava o reconhecimento da intempestividade da impugnação ao cumprimento de sentença, alegando que o termo inicial do prazo é a data em que foi realizado o depósito judicial e não do término do prazo para pagamento voluntário do débito.

Por sua vez, a ministra Nancy Andrighi explicou que: “por disposição expressa do art. 525, caput, do CPC/15, mesmo que o executado realize o depósito para garantia do juízo no prazo para pagamento voluntário, o prazo para a apresentação da impugnação somente se inicia após transcorridos os 15 (quinze) dias contados da intimação para pagar o débito, previsto no art. 523 do CPC/15, independentemente de nova intimação”.

Dessa forma, ainda que a parte devedora apresente garantia ao juízo dentro do prazo para pagamento voluntário, o marco para apresentação da impugnação ao cumprimento de sentença não é modificado, cujo início se dá após transcorridos os 15 dias contados da intimação para pagar o débito, independentemente de nova intimação. 

Destacou-se que, os dispositivos do Código de Processo Civil de 2015 não se confundem com a norma anterior, ou seja, o Código de Processo Civil de 1973 que previa o prazo para oferecer embargos do devedor deveria ser contado a partir da data da efetivação do depósito judicial, posto que era pressuposto para apresentação dos embargos pelo Executado.

Concluiu-se que, na vigência do Código de Processo Civil de 2015, a garantia do juízo tem finalidade de impedir a prática de atos de expropriação de bens do devedor e não requisitos para apresentação da impugnação, que em regra, não possui efeitos suspensivos.

STJ, Recurso Especial nº 1.761.068- RS, Relator Ministro Ricardo Villas Bôas Cueva, publicado no DJE em 18.12.20.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais

Empresa é condenada em danos morais e materiais por não ter afastado empregada gestante do trabalho presencial, durante a pandemia

Tribunal Regional da 11ª Região reconhece culpa recíproca entre empregadora e trabalhadora gestante, vítima fatal da COVID-19, que apesar de ter sido imprudente ao não usar máscara protetiva em diversas situações, foi obrigada a executar atividades laborais presenciais, mesmo diante da legislação que proíbe tal situação, contraindo, assim, o vírus. Destaca-se que há Projeto de Lei em trâmite no Senado Federal com o objetivo de regulamentar o assunto de forma mais adequada.

Leia mais
discriminatória

Dispensa imotivada de portadora de câncer foi reconhecida como discriminatória pelo TRT da 2ª Região

A 15ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, reconheceu como dispensa de caráter discriminatório, uma rescisão de contrato de trabalho na modalidade imotivada de uma trabalhadora portadora de câncer, cujo tratamento envolveu cirurgia e quimioterapia e um longo período de recuperação, e que teve o contrato rescindido logo após o retorno do afastamento previdenciário, que se prolongou por mais de 2 (dois) anos.

Leia mais