Redução de jornada de trabalho e salário e suspensão contratual temporária voltam a ser sancionadas pelo Governo Federal

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Após quase quatro meses sem qualquer tipo de regulamentação jurídica sobre os contratos de trabalho firmados entre trabalhadores e empregadores que vivem em meio às restrições ocasionadas pela prolongação dos efeitos da COVID-19, o Presidente Jair Bolsonaro instituiu o Novo Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda, bem como trouxe à baila medidas trabalhistas para o enfrentamento da pandemia, através das Medidas Provisórias n° 1.045 e 1.046, ambas de 27.04.2021.

No que se refere ao Novo Programa Emergencial, foi evidenciado novamente o objetivo de preservação do emprego e da renda dos trabalhadores e a tentativa de garantia da continuidade das atividades empresariais, de modo a reduzir os impactos sociais decorrentes das restrições sanitárias que impedem o pleno funcionamento de alguns setores da economia brasileira.

Da mesma forma que o Programa Emergencial anterior, fica assegurado aos empregadores o direito de reduzir proporcionalmente as jornadas de trabalho e salário dos empregados e até mesmo suspender temporariamente os contratos de trabalho, sendo que ao Governo ficará a incumbência de pagar o Benefício Emergencial de Manutenção do Emprego e Da Renda, de modo a compor, ainda que parcialmente, os salários mensais dos trabalhadores afetados pela adoção das medidas. Ressalta-se que tais medidas não poderão ser utilizadas pelos órgãos da administração pública direta e indireta, pelas empresas públicas e sociedades de economia mista e aos organismos internacionais dos âmbitos federais, estaduais e municipais.

Às empresas caberá a opção ou não pela prática de tais ações, sendo certo que é discricionário a escolha por uma das medidas e estas poderão ser aplicadas de forma parcial, setorial ou integral entre os empregados e departamentos empresariais, a princípio, por até 120 dias, mediante acordo coletivo ou individual. Tendo optado por uma das medidas, as empresas terão o prazo de 10 dias para informar ao Ministério da Economia acerca das práticas adotadas, até mesmo para possibilitar o pagamento do Benefício Emergencial pelo Governo.

A base de cálculo utilizada pelo Governo para o cálculo do referido benefício será do respectivo valor na qual o empregado teria direito a título de seguro-desemprego, o que na prática fica entre R$ 1.100,00 e R$ 1.911,84.

Assim, em se tratando de redução de jornada e salário, haverá a aplicação do percentual da respectiva redução sobre a base de cálculo, e nos casos de suspensão contratual temporária, o valor do seguro-desemprego será pago de forma integral, acaso o trabalhador seja empregado de empresas com renda bruta inferior a R$ 4.800.000,00 e, na correspondência de 70%, se empregado de empresa com renda bruta superior a supracitada.

Vale frisar o fato de que, se a empresa optar pela adoção da redução salarial e de jornada de trabalho através de mero acordo individual, esta somente poderá ser feita nas proporções que a lei traz, ou seja, 25%, 50% ou 75%, enquanto, se adotadas mediante celebração de acordo coletivo de trabalho, as reduções poderão ser negociadas livremente.

Salienta-se ainda que, se suspenso o contrato de trabalho do empregado, a empresa não poderá exigir qualquer tipo de atividade laboral por parte do trabalhador, ainda que parcialmente ou por qualquer meio de trabalho remoto, eis que se identificado o labor nesta situação, a suspensão contratual restará descaracterizada e a empresa obrigada a remunerar integralmente o empregado, inclusive no que se refere aos encargos previdenciários, além de poder sofrer sanções legais, administrativas e normativas.

Ainda se utilizando das premissas estabelecidas anteriormente, o Governo excluiu os ocupantes de cargo ou emprego público, ainda que comissionado, bem como aqueles que gozam de benefício de prestação continuada da Previdência Social, de seguro-desemprego e do benefício de qualificação profissional, tendo estendido o benefício emergencial aos empregados intermitentes.

Faz-se necessário lembrar que, os empregadores, se assim desejarem e acordarem com os respectivos empregados, poderão efetuar o pagamento de ajuda mensal compensatória com o objetivo de reduzir os danos financeiros ocasionados aos trabalhadores durante o período de imposição das medidas supracitadas, sem que o empregado perca o direito de recebimento do benefício emergencial pago pelo Governo, sendo que tais ajudas serão considerados como de natureza indenizatória e, portanto, não sofrerão incidência de encargos previdenciários e fiscais.

Por fim, mas não menos importante, ressalta-se que os trabalhadores submetidos a qualquer um dos regimes restritivos indicados, terão estabilidade provisória no emprego não só durante o período de aplicabilidade da medida correspondente, como também após o retorno às atividades laborais, pelo período correspondente a medida na qual fora submetido anteriormente.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais

Empresa é condenada em danos morais e materiais por não ter afastado empregada gestante do trabalho presencial, durante a pandemia

Tribunal Regional da 11ª Região reconhece culpa recíproca entre empregadora e trabalhadora gestante, vítima fatal da COVID-19, que apesar de ter sido imprudente ao não usar máscara protetiva em diversas situações, foi obrigada a executar atividades laborais presenciais, mesmo diante da legislação que proíbe tal situação, contraindo, assim, o vírus. Destaca-se que há Projeto de Lei em trâmite no Senado Federal com o objetivo de regulamentar o assunto de forma mais adequada.

Leia mais
discriminatória

Dispensa imotivada de portadora de câncer foi reconhecida como discriminatória pelo TRT da 2ª Região

A 15ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, reconheceu como dispensa de caráter discriminatório, uma rescisão de contrato de trabalho na modalidade imotivada de uma trabalhadora portadora de câncer, cujo tratamento envolveu cirurgia e quimioterapia e um longo período de recuperação, e que teve o contrato rescindido logo após o retorno do afastamento previdenciário, que se prolongou por mais de 2 (dois) anos.

Leia mais