Cadastro de imóveis rurais será completamente digitalizado

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Em mais um capítulo do avanço tecnológico da era digital, desta vez, o cadastro de imóveis rurais também passa a integrar o movimento no sentido da digitalização.

O Cadastro de Imóveis Rurais (Cafir), cadastro obrigatório a todos os imóveis rurais, a partir de agora poderá ser concluído de forma virtual diretamente no Centro Virtual de Atendimento da Receita (e-CAC). Com isto, os proprietários de imóveis rurais não precisarão mais ir pessoalmente a uma unidade de atendimento da Receita Federal para atualizar ou cadastrar a propriedade.

No novo procedimento, o conjunto de documentos requeridos pela Receita Federal para validação do cadastro rural pode ser enviados digitalmente para a análise via e-CAC por meio de Dossiê Digital de Atendimento.

Caso, ao longo do processo, surja a necessidade de envio de novos documentos, estes poderão ser juntados no próprio sistema e apontamentos adicionais suscitados poderão ser efetuados todos eletronicamente.

O envio eletrônico de documentos estará disponível nos sistemas Cnir ou o Sistema Coletor Web (associado ao Cafir e administrado pela Receita Federal) sendo realizado pelo e-CAC.

A medida, ainda que relativamente disruptiva, não causa grande surpresa tendo em vista que o contexto social envereda no sentido da digitalização procedimental em todos os setores, movimento este cada vez mais impulsionado pelas adversidades postas pela pandemia do novo coronavírus. 

A otimização e facilidade trazidas pela digitalização do cadastro são vistas como facilitadoras no processo e sua aplicação é, de forma geral, bem vista pelo setor.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Depressão

Depressão não é reconhecida como doença de origem ocupacional pelo TST

O Tribunal Superior do Trabalho reverteu decisão que havia considerado a responsabilidade objetiva de uma companhia aérea e reconhecida como doença de ordem ocupacional, o quadro depressivo desenvolvido pela trabalhadora enquanto exercia o cargo de comissária de bordo. A decisão se sustentou nas provas contidas nos autos, uma vez que o laudo pericial específico não identificou o nexo de causalidade entre a doença alegada e as atividades desempenhadas, muito menos a incapacidade laboral da trabalhadora.

Leia mais
Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais