Cartórios de registro de imóveis passam a contribuir com sistema de registro eletrônico

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Por determinação do Provimento nº 115 da Corregedoria Nacional de Justiça, de 24/03/2021, os cartórios de registro de imóveis passarão a contribuir com o Fundo para Implementação e Custeio do Serviço de Registro Eletrônico de Imóveis (FIC/SREI) a partir deste mês de abril. A cota de participação devida é de 0,8% dos emolumentos brutos percebidos pelos atos praticados no serviço de registro de imóveis e deverá ser recolhida por todas as serventias que prestam tais serviços.

A Corregedoria Nacional de Justiça, que desempenha função de agente regulador do Operador Nacional do Sistema de Registro Eletrônico de Imóveis (ONR) – e que, portanto, exerce o papel de disciplinar a instituição da receita do fundo para a implementação e o custeio do SREI – deve implementar sistema informatizado para o gerenciamento e fiscalização do recolhimento das cotas de participação de cada cartório. 

Com a finalidade de modernizar o sistema registral do país ao visar a disponibilização de ponto único de acesso para requerimento de serviços via eletrônica, a universalização dos serviços registrais e a uniformização do padrão de dados, o desenvolvimento do projeto SREI permitirá um salto de eficiência nas operações que envolvam os cartórios de registro de imóveis, bem como garantirá a amplitude do acesso à informação e será um importante marco na desburocratização nos serviços desempenhados por tais serventias.

Não sobra dúvidas de que a determinação do Provimento nº 115 é de suma importância para implementação do sistema. Entretanto, o pagamento dessa cota de participação devida por cada cartório será repassado ao usuário? 

A resposta é não! Tal vedação vem do Provimento nº 107 da Corregedoria Nacional de Justiça, de 24/06/2020, ao determinar que “o acesso do consumidor aos serviços prestados pelas centrais não pode ser onerado com a cobrança de taxas e/ou contribuições, além dos emolumentos e taxas previstas em leis dos estados e do Distrito Federal”.

Caminhamos, finalmente, para uma realidade em que o operacional burocrático se torne mais célere e mais efetivo. Especialmente para o setor do agronegócio – consumidor frequente dos serviços desempenhados pelos cartórios de registros de imóveis e cuja logística e burocracia surgem como empecilhos –, a modernização da estrutura dessas serventias será de enorme impacto.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais

Empresa é condenada em danos morais e materiais por não ter afastado empregada gestante do trabalho presencial, durante a pandemia

Tribunal Regional da 11ª Região reconhece culpa recíproca entre empregadora e trabalhadora gestante, vítima fatal da COVID-19, que apesar de ter sido imprudente ao não usar máscara protetiva em diversas situações, foi obrigada a executar atividades laborais presenciais, mesmo diante da legislação que proíbe tal situação, contraindo, assim, o vírus. Destaca-se que há Projeto de Lei em trâmite no Senado Federal com o objetivo de regulamentar o assunto de forma mais adequada.

Leia mais