Contradição quanto à natureza jurídica do registro da alienação fiduciária em garantia

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Uma garantia que vem sendo cada vez mais utilizada em operação de concessão de crédito, inclusive para o fomento do agronegócio, é a alienação fiduciária, que consiste em um negócio jurídico que visa à transferência da propriedade resolúvel de bem móvel ou imóvel. 

É sabida a importância do registro da alienação fiduciária junto ao Cartório competente, sendo que existe divergência no STJ, quanto à natureza jurídica deste registro: se condição de validade do negócio ou requisito de eficácia contra terceiros. 

Muitos posicionamentos firmados pelo STJ, baseados na doutrina clássica, estabeleceram de forma geral que o registro do contrato de alienação fiduciária em garantia, é requisito de eficácia perante terceiros de boa-fé, pela oponibilidade erga omnes, ante a publicidade do ato, não constituindo condição de validade do negócio. (AgRg no REsp 977.998/RS; AgRg no EREsp 875.634/PB; REsp 1.190.372/DF; REsp 770.315/AL).

Contudo, em julgamento recente do REsp 1835598/SP, que tratou efetivamente de contrato de compra e venda de imóvel, indo na contramão aos entendimentos acima citados e até mesmo contra a doutrina, a relatora Nancy Andrighi entendeu que, em observância ao regime especial da Lei 9.514/97, que trata da propriedade fiduciária de bens imóveis, “o registro do contrato tem natureza constitutiva, sem o qual a propriedade fiduciária e a garantia dela decorrente não se perfazem”, visto que o artigo 23 da lei, prevê que o registro do contrato no cartório competente serve de título à propriedade fiduciária.

Em acórdão, após conceituar e fazer uma breve sintetização sobre o “duplo regime jurídico da alienação fiduciária” doutrinário, qual seja, o regime jurídico do Código Civil e regime jurídico especial, haja vista que é formado por um conjunto de normas esparsas, a ministra sustentou pela necessidade do registro do contrato no cartório competente.

Explicou que, embora no caso de cessão fiduciária de direitos sobre coisas móveis e de títulos de créditos seja desnecessário o registro em cartório, com finalidade do registro apenas para fins de publicidade, no caso de “propriedade fiduciária de bem imóvel, regida pela Lei 9.514/97, verifica-se que a garantia somente se constitui com o registro do contrato que lhe serve de título no registro imobiliário do local onde o bem se situa“, possuindo o registro, natureza constitutiva.

Caso contrário, haveria “simples crédito” sem constituição de garantia, e consequente ausência de transmissão de propriedade resolúvel. 

Em voto vencido, o ministro Ricardo Vilas Boas discordou da relatora, pois segundo ele, o entendimento da Corte, citando como um dos julgados, o AgInt no AREsp 1.689.082/SP, é de que a ausência de registro do contrato de alienação fiduciária no competente cartório de registro não retira a eficácia da garantia, mas serve tão somente para dar publicidade a terceiros, trazendo alguns exemplos de decisões inclusive quanto à hipoteca e promessa de compra e venda, cujos contratos são válidos, independente do registro, servindo o ato de resguardo do contratante em face de terceiros. 

O artigo 23 da Lei 9.514/97 diz respeito ao requisito constitutivo do direito real da propriedade fiduciária do bem imóvel, ao passo que, com o registro em cartório competente haverá a constituição do direito real com atributo erga omnes, não impedindo, em caso de ausência de registro, a produção dos efeitos entre as partes. 

Assim, temos que o recente posicionamento jurisprudencial do REsp 1835598/SP foi contra todo o entendimento da mesma Corte proferido até então, e até mesmo da doutrina, que por vezes serviu de amparo para julgados. 

A consequência é a insegurança jurídica instaurada sobre um instrumento jurídico, qual seja, o contrato com garantia de alienação fiduciária, que vem sendo cada vez mais utilizado para a concessão de crédito e que necessita de concretização ao que se refere às suas condições. 

Nos basta aguardar a restabelecimento do entendimento do Superior Tribunal de Justiça, sendo o majoritário, o que se espera.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Depressão

Depressão não é reconhecida como doença de origem ocupacional pelo TST

O Tribunal Superior do Trabalho reverteu decisão que havia considerado a responsabilidade objetiva de uma companhia aérea e reconhecida como doença de ordem ocupacional, o quadro depressivo desenvolvido pela trabalhadora enquanto exercia o cargo de comissária de bordo. A decisão se sustentou nas provas contidas nos autos, uma vez que o laudo pericial específico não identificou o nexo de causalidade entre a doença alegada e as atividades desempenhadas, muito menos a incapacidade laboral da trabalhadora.

Leia mais
Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais