Grupo de trabalho no CNJ propõe medidas para otimizar recuperação judicial e falências

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

O grupo de trabalho em atuação no Conselho Nacional de Justiça (CNJ), instituído pela Portaria CNJ 199/2020, tem como objetivo dar seguimento à ação iniciada em 2018 para melhorar o desempenho, a efetividade, e desburocratizar a atuação do Judiciário nos processos de recuperação judicial e falências, sugerindo propostas na tentativa de alcançar evoluções legislativas, a exemplo da nova Lei de Falências e Recuperação de Empresas (Lei nº 14.112/2020), que entrou em vigor em janeiro.

Recentemente foram apresentadas duas propostas de atos normativos para aprimoramento da atuação do Poder Judiciário nos processos, sendo uma delas sobre a aplicação de parâmetros para a criação de cadastro de administradores judiciais pelos tribunais e a segunda dispondo sobre a comunicação direta com a Justiça no exterior para casos de insolvências transnacionais.

Com a primeira proposta, o magistrado do processo é responsável por definir a pessoa que fará a administração judicial, que faz gestão das massas falida e fiscal das empresas utilizando-se do Cadastro de Administradores Judiciais, onde as pessoas interessadas deverão se registrar e apresentar seu currículo informando formação técnica e experiência profissional na área. Alguns tribunais já contam com cadastros próprios. A proposta do grupo do CNJ é indicar requisitos mínimos para que cada tribunal estabeleça o seu próprio cadastro.

Já a segunda proposta cria regras de cooperação e de comunicação direta com juízos estrangeiros para o processamento e julgamento de insolvências transnacionais, como sendo as de empresas multinacionais que solicitam a proteção contra falência em mais de um país. A comunicação direta exclui diversas formalidades que tornam o procedimento moroso, a exemplo a necessidade de expedição de carta rogatória. 

“As minutas aprovadas pelo GT serão apresentadas ao Plenário do CNJ e integram o rol de medidas que estão sendo desenvolvidas no âmbito do Conselho para a atribuição de maior celeridade, efetividade e segurança jurídica nos complexos processos de recuperação judicial e de falência”, informou o conselheiro Marcos Vinícius Jardim Rodrigues.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais

Empresa é condenada em danos morais e materiais por não ter afastado empregada gestante do trabalho presencial, durante a pandemia

Tribunal Regional da 11ª Região reconhece culpa recíproca entre empregadora e trabalhadora gestante, vítima fatal da COVID-19, que apesar de ter sido imprudente ao não usar máscara protetiva em diversas situações, foi obrigada a executar atividades laborais presenciais, mesmo diante da legislação que proíbe tal situação, contraindo, assim, o vírus. Destaca-se que há Projeto de Lei em trâmite no Senado Federal com o objetivo de regulamentar o assunto de forma mais adequada.

Leia mais