Grupo de trabalho no CNJ propõe medidas para otimizar recuperação judicial e falências

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

O grupo de trabalho em atuação no Conselho Nacional de Justiça (CNJ), instituído pela Portaria CNJ 199/2020, tem como objetivo dar seguimento à ação iniciada em 2018 para melhorar o desempenho, a efetividade, e desburocratizar a atuação do Judiciário nos processos de recuperação judicial e falências, sugerindo propostas na tentativa de alcançar evoluções legislativas, a exemplo da nova Lei de Falências e Recuperação de Empresas (Lei nº 14.112/2020), que entrou em vigor em janeiro.

Recentemente foram apresentadas duas propostas de atos normativos para aprimoramento da atuação do Poder Judiciário nos processos, sendo uma delas sobre a aplicação de parâmetros para a criação de cadastro de administradores judiciais pelos tribunais e a segunda dispondo sobre a comunicação direta com a Justiça no exterior para casos de insolvências transnacionais.

Com a primeira proposta, o magistrado do processo é responsável por definir a pessoa que fará a administração judicial, que faz gestão das massas falida e fiscal das empresas utilizando-se do Cadastro de Administradores Judiciais, onde as pessoas interessadas deverão se registrar e apresentar seu currículo informando formação técnica e experiência profissional na área. Alguns tribunais já contam com cadastros próprios. A proposta do grupo do CNJ é indicar requisitos mínimos para que cada tribunal estabeleça o seu próprio cadastro.

Já a segunda proposta cria regras de cooperação e de comunicação direta com juízos estrangeiros para o processamento e julgamento de insolvências transnacionais, como sendo as de empresas multinacionais que solicitam a proteção contra falência em mais de um país. A comunicação direta exclui diversas formalidades que tornam o procedimento moroso, a exemplo a necessidade de expedição de carta rogatória. 

“As minutas aprovadas pelo GT serão apresentadas ao Plenário do CNJ e integram o rol de medidas que estão sendo desenvolvidas no âmbito do Conselho para a atribuição de maior celeridade, efetividade e segurança jurídica nos complexos processos de recuperação judicial e de falência”, informou o conselheiro Marcos Vinícius Jardim Rodrigues.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Projetos sociais

Projetos sociais nas empresas: impactos e alternativas de regulamentação

Muitas empresas exercem ou querem exercer ações sociais de cunho filantrópico, utilizando dos seus próprios serviços e produtos para irem além dos aspectos econômicos, com projetos que beneficiam o meio ambiente, agricultores e trabalhadores rurais e que impactam diretamente comunidades e instituições que necessitam de amparo.
Contudo, apesar das práticas sociais estarem ligadas aos valores de determinadas empresas, a sua estruturação requer bastante cautela e apoio jurídico para que não haja impactos trabalhistas, empresariais e tributários que possam, muitas vezes, desacelerar ou até mesmo impossibilitar esse compromisso com a sociedade.

Leia mais
Marco Legal

Câmara aprova MP que cria marco legal da securitização

Foi aprovada pela Câmara dos Deputados no dia 15 de junho de 2022, a medida provisória editada em março pelo governo federal que cria, atualiza e define regras para securitização dos direitos creditórios (conversão de créditos a receber em títulos a serem comercializados) e, também, cria a Letra de Risco de Seguro.

Leia mais