O Poder Judiciário pode exigir prova da representação de mandatário constituído por procuração pública outorgada no exterior

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

A terceira turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), no julgamento do recurso especial nº 1.845.712, de relatoria do ministro Marcos Aurélio Bellizze, entendeu que a regularidade da representação processual no Brasil de empresa estrangeira pode se sujeitar à necessidade de comprovação dos poderes de representação, ainda que a procuração tenha sido outorgada em país signatário da Convenção da Apostila de Haia.

Frisa-se que os documentos públicos firmados perante autoridade estrangeira também são válidos no Brasil, cuja convenção da Apostilha de Haia desburocratizou as exigências de validade do documento estrangeiro, atribuindo-lhes o mesmo valor jurídico dos instrumentos públicos lavrados no Brasil.

O caso chegou ao STJ após as empresas argumentarem que a representação foi formalizada por procuração pública lavrada no exterior e observada as disposições da Convenção de Haia.

Ocorre que, tratando-se de pessoa jurídica estrangeira, a representação “é exercida por gerente, representante ou administrador de sua filial, agência ou sucursal aberta ou instalada no Brasil. Contudo, inexistindo filial, agência ou sucursal, em território nacional, aplica-se a regra geral, a fim de ser a pessoa jurídica estrangeira representada por quem os respectivos estatutos designarem, ou, não os designando, por seus diretores”.

No caso, destacou-se que, não houve comprovação dos poderes de representação no momento da outorga da procuração pública no país estrangeiro, e por esse motivo, a prova da condição de representante da pessoa jurídica pode ser exigida pelo magistrado, em caso de dúvida.

Finalizou destacando que os documentos estrangeiros têm o mesmo valor jurídico daqueles lavrados no território nacional, mas não possuem o condão de afastar a exigência da comprovação da capacidade e legitimidade do mandatário, quando não for feito prova no momento da lavratura do instrumento público.

STJ, REsp 4.845.712 – PR, processo 2018/0204437-2, publicado no DJE em 03.12.2020, cuja íntegra da decisão poderá ser conferida no site do Tribunal: https://processo.stj.jus.br/processo/pesquisa/

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Depressão

Depressão não é reconhecida como doença de origem ocupacional pelo TST

O Tribunal Superior do Trabalho reverteu decisão que havia considerado a responsabilidade objetiva de uma companhia aérea e reconhecida como doença de ordem ocupacional, o quadro depressivo desenvolvido pela trabalhadora enquanto exercia o cargo de comissária de bordo. A decisão se sustentou nas provas contidas nos autos, uma vez que o laudo pericial específico não identificou o nexo de causalidade entre a doença alegada e as atividades desempenhadas, muito menos a incapacidade laboral da trabalhadora.

Leia mais
Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais