Indústrias químicas, todo o setor da agroindústria e outras 30 atividades empresariais foram autorizadas a exigir o trabalho dos empregados aos domingos e feriados

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

É de conhecimento comum que todo o trabalhador possui o direito de gozar de 24 (vinte e quatro) horas de folga semanais e de forma remunerada, nos termos do artigo 7, inciso XV, da Constituição Federal. Ainda, o artigo 67 da CLT recomenda expressamente que tais folgas devem coincidir, preferencialmente, com o domingo.

Assim, tem-se que o trabalho aos domingos, seja total ou parcial, é vedado pela legislação pátria, salvo se permitido previamente pela autoridade competente. Tal entendimento encontra respaldo no artigo 68 da CLT, sendo que o seu parágrafo único estabelece que a referida permissão poderá ser concedida pelo Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio em decorrência da natureza das atividades empresariais ou ainda
pela conveniência pública.

A fim de regulamentar a matéria, a Secretaria Especial de Previdência e Trabalho (SEPRT/ME) mantém a Portaria nº 604/19 que estabelece quais atividades empresariais poderão ser executadas aos domingos e feriados, nos termos da legislação supracitada. Pouco se falou sobre o assunto, entretanto, esta norma foi alterada pela Portaria nº. 1.809 da SEPRT/ME, publicada em 12 de fevereiro de 2021, que ampliou este rol de permissão.

A título exemplificativo, tem-se que, no mundo do agronegócio, algumas alterações foram substanciais.

Antes da Portaria nº 1.809, apenas a linha produtiva das usinas de açúcar e álcool, incluindo as oficinas, as petroquímicas, as indústrias de produção de laticínio, óleo vegetal, malte, cerveja, vinho, e das empresas de limpeza e alimentação de animais em propriedades agropecuárias; colheita, beneficiamento, lavagem e transporte de hortaliças, legumes e frutas, estavam elencadas como atividades com concessão permanente de trabalho aos domingos.

Com a referida alteração, foram incluídas na exceção de permissão de trabalho aos domingos, as atividades empresariais envolvendo mercado de capitais; indústrias de beneficiamento de grãos e cereais, de carnes e seus derivados (abate, processamento, armazenamento, manutenção, higienização, carga, descarga, transporte, conservação frigorífica, dentre outros), indústrias químicas; produção, colheita, beneficiamento, lavagem e transporte além de hortaliças, legumes e frutas, também de flores, grãos,
cereais, sementes e quaisquer outros produtos agrícolas; plantio de tratos culturais, corte, carregamento, transbordo e transporte de cana de açúcar; prevenção, controle e erradicação de pragas dos vegetais e de doença dos animais e todo o setor da agroindústria.

Assim, toda a agroindústria, incluindo aquelas atividades desenvolvidas para a produção de defensivos agrícolas, independentemente da origem, bem como as empresas do mercado de capitais poderá se beneficiar da exceção conferida pela Secretaria do Trabalho no sentido de exigência de trabalho aos domingos.

E o que isso significa na prática?

Não há mais a necessidade de negociar coletivamente com Sindicatos para a
permissão de trabalho aos domingos, sendo que praticamente se extinguirá a insegurança jurídica de ter esta norma coletiva não reconhecida pela Justiça do Trabalho, em caso de questionamento judicial feito pelo empregado.

Ainda, se exigido o trabalho aos domingos, a empresa poderá pagar o referido dia em dobro, conceder o referido descanso semanal remunerado em qualquer outro dia da semana ou ainda compensar as horas trabalhadas em eventual banco de dados instituído. Caso não cumpra com a legislação, a empresa poderá ser objeto de fiscalização pelas autoridades e consequentemente sofrer sanção administrativa em forma de multas pecuniárias, bem como poderá ser acionada judicialmente pelo empregado para o pagamento das diferenças existentes.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais

Empresa é condenada em danos morais e materiais por não ter afastado empregada gestante do trabalho presencial, durante a pandemia

Tribunal Regional da 11ª Região reconhece culpa recíproca entre empregadora e trabalhadora gestante, vítima fatal da COVID-19, que apesar de ter sido imprudente ao não usar máscara protetiva em diversas situações, foi obrigada a executar atividades laborais presenciais, mesmo diante da legislação que proíbe tal situação, contraindo, assim, o vírus. Destaca-se que há Projeto de Lei em trâmite no Senado Federal com o objetivo de regulamentar o assunto de forma mais adequada.

Leia mais
discriminatória

Dispensa imotivada de portadora de câncer foi reconhecida como discriminatória pelo TRT da 2ª Região

A 15ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, reconheceu como dispensa de caráter discriminatório, uma rescisão de contrato de trabalho na modalidade imotivada de uma trabalhadora portadora de câncer, cujo tratamento envolveu cirurgia e quimioterapia e um longo período de recuperação, e que teve o contrato rescindido logo após o retorno do afastamento previdenciário, que se prolongou por mais de 2 (dois) anos.

Leia mais