Publicada a Lei que institui o Fiagro (Fundos de Investimentos das Cadeias Agroindustriais)

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Foi publicada hoje no Diário Oficial a Lei que institui o Fiagro (Fundos de Investimentos das Cadeias Agroindustriais), no entanto, quatro trechos da legislação foram vetados.

Tais vetos já eram esperados, por juristas e especialistas em mercado de capitais, devido ao posicionamento contrário emitido pela Receita Federal, que alegou, nas razões do veto, existir renúncia fiscal nas isenções criadas a partir da equiparação tributária feita entre o Fiagro e os fundos de investimentos imobiliários.

Vetou-se também, a isenção de Imposto de Renda (IR) nas distribuições aos cotistas do fundo quando preenchidas determinadas condições. O argumento utilizado no despacho foi: “a medida encontra óbice jurídico por acarretar renúncia de receita, sem o cancelamento equivalente de outra despesa obrigatória e sem que esteja acompanhada de estimativa do seu impacto orçamentário e financeiro”

Outro ponto vetado foi o adiamento de IR sobre o ganho de capital apurado na integralização de bens do fundo. A Lei previa que o prazo para pagamento do tributo devia ser da venda de cotas, ou por ocasião do resgate na liquidação dos fundos, e não na emissão dessas. O argumento dos vetos é que tal orientação fere a Lei de Diretrizes Orçamentárias, que estabelece o prazo máximo, de 5 anos, para tal benefício fiscal.

O Fiagro é visto como uma alternativa de financiamentos para o setor do agronegócio e como forma de desafogar parte da dependência de recursos públicos. A alteração legislativa permite que sejam criados fundos onde as carteiras sejam compostas por imóveis rurais, participações em empresas do setor e cotas de outros fundos onde haja investimento de, ao menos, 50% em ativos relacionados ao agronegócio, na carteira.

O Secretário substituto de Política Agrícola do Ministério da Agricultura Angelo Mazzillo Júnior,  publicou no seu Linkedin que os vetos foram um duro golpe e que perder a equiparação fiscal com os fundos de investimentos imobiliários tiram a razão de ser dos novos fundos.

A expectativa agora é que por pressão da bancada ruralista, o assunto seja retomado pelo Congresso, que pode analisar os vetos e derrubá-los. A próxima sessão do Congresso deve ocorrer na semana que vem.

Fonte: https://valor.globo.com/agronegocios/noticia/2021/03/30/publicado-com-vetos-o-texto-da-lei-que-institui-os-fiagro.ghtml

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais

Empresa é condenada em danos morais e materiais por não ter afastado empregada gestante do trabalho presencial, durante a pandemia

Tribunal Regional da 11ª Região reconhece culpa recíproca entre empregadora e trabalhadora gestante, vítima fatal da COVID-19, que apesar de ter sido imprudente ao não usar máscara protetiva em diversas situações, foi obrigada a executar atividades laborais presenciais, mesmo diante da legislação que proíbe tal situação, contraindo, assim, o vírus. Destaca-se que há Projeto de Lei em trâmite no Senado Federal com o objetivo de regulamentar o assunto de forma mais adequada.

Leia mais
discriminatória

Dispensa imotivada de portadora de câncer foi reconhecida como discriminatória pelo TRT da 2ª Região

A 15ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, reconheceu como dispensa de caráter discriminatório, uma rescisão de contrato de trabalho na modalidade imotivada de uma trabalhadora portadora de câncer, cujo tratamento envolveu cirurgia e quimioterapia e um longo período de recuperação, e que teve o contrato rescindido logo após o retorno do afastamento previdenciário, que se prolongou por mais de 2 (dois) anos.

Leia mais