Comissão Permanente de Comunicação inicia trabalho para uniformizar sites do Judiciário

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

A Comissão Permanente de Comunicação do Poder Judiciário do Conselho Nacional de Justiça, em reunião no último mês, discutiu o início de processos para uniformizar os sites dos órgãos da Justiça. 

Atualmente, com exceção dos Tribunais Trabalhistas, não há qualquer tipo de unificação dos sistemas entre os Tribunais do Brasil, muitas vezes dificultando o acesso até para advogados, que atuam diariamente nesses Tribunais, quem dirá para o público em geral. 

O Conselheiro do CNJ Rubens Canuto pondera que “quanto mais fácil for para o usuário, melhor o Judiciário comunicará com a sociedade”. 

O Conselho Nacional de Justiça deve estabelecer um padrão mínimo para uniformização dos sites, sem retirar a autonomia dos Tribunais de Justiça. As alterações são necessárias para uma fácil navegabilidade, atendendo o interesse público de acesso à informação e preservando os dados protegidos pela nova LGPD. 

Além disso, haverá alterações para atender à Resolução nº 376 do CNJ publicada este mês, que prevê o emprego obrigatório da flexão de gênero para nomear profissão ou demais designações na comunicação social e institucional do Poder Judiciário Nacional. 

A designação distintiva deve ser adotada para todas e todos integrantes, incluindo desembargadores e desembargadoras, juízes e juízas, advogados e advogadas e etc.  

A designação distintiva também se aplicará à identidade de gênero dos transgêneros, adotando a utilização do respectivo nome social. 

Iniciativa importante que trará maior comunicação e efetividade entre o judiciário e a população.

Fonte: https://www.conjur.com.br/2021-mar-03/comissao-inicia-trabalho-padronizacao-sites-judiciario

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Projetos sociais

Projetos sociais nas empresas: impactos e alternativas de regulamentação

Muitas empresas exercem ou querem exercer ações sociais de cunho filantrópico, utilizando dos seus próprios serviços e produtos para irem além dos aspectos econômicos, com projetos que beneficiam o meio ambiente, agricultores e trabalhadores rurais e que impactam diretamente comunidades e instituições que necessitam de amparo.
Contudo, apesar das práticas sociais estarem ligadas aos valores de determinadas empresas, a sua estruturação requer bastante cautela e apoio jurídico para que não haja impactos trabalhistas, empresariais e tributários que possam, muitas vezes, desacelerar ou até mesmo impossibilitar esse compromisso com a sociedade.

Leia mais
Marco Legal

Câmara aprova MP que cria marco legal da securitização

Foi aprovada pela Câmara dos Deputados no dia 15 de junho de 2022, a medida provisória editada em março pelo governo federal que cria, atualiza e define regras para securitização dos direitos creditórios (conversão de créditos a receber em títulos a serem comercializados) e, também, cria a Letra de Risco de Seguro.

Leia mais