União estável não impede penhora de imóvel dado como garantia em hipoteca

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

A autora argumentou por meio de recurso que o imóvel foi hipotecado sem seu consentimento, sendo que a garantia se refere a uma dívida assumida pela empresa na qual seu companheiro é um dos sócios. 

A apelante comprovou que possui declaração de união estável com seu companheiro desde 2008 e sustentou que por não anuir com a garantia prestada, o referido contrato de hipoteca não teve sua outorga uxória, que tem como finalidade impossibilitar a dilapidação do patrimônio do casal por um dos cônjuges. Além disso, a requerente defendeu que seu direito à meação sobre o bem foi prejudicado e que diante disso o contrato de hipoteca firmado não possui validade. Sobre esse argumento, a Caixa Econômica Federal defendeu não ser necessária a outorga uxória diante de união estável, sendo exigível apenas para os cônjuges.

Diante desse cenário, o desembargador federal Carlos Augusto Pires Brandão, da 5ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1), observou que questão central do processo consiste na possibilidade ou não de aplicação à união estável, em atos de disposição patrimonial, da outorga uxória prevista no Código Civil (CC) em seu artigo 1.647.

O magistrado entende que nos termos do artigo 266, § 3º, da Constituição Federal, o Estado deve proteger a união estável e que deve equipara-la ao casamento em todos os seus aspectos. Entretanto, a jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça (STJ) traz que “não é nula nem anulável a fiança prestada por fiador convivente em união estável sem a outorga uxória do outro companheiro”. 

Enfatiza ainda o desembargador que “conforme previsão do artigo 1.647 do Código Civil, a outorga uxória objetiva preservar o patrimônio familiar, exigindo-se que, para a prática de determinados atos se obtenha a vênia marital ou uxória, salvo se o regime matrimonial for o da separação absoluta de bens. Cumpre salientar, porém, que a união estável é uma união de fato, na qual não há necessidade de registros públicos, de forma que se torna inexigível a outorga do suposto companheiro para que o negócio jurídico seja considerado válido. Desse modo, a previsão do CC restringe-se ao casamento civil, ou seja, em se tratando de união estável cuja publicidade não foi devidamente alcançada, a outorga uxória/marital não é requisito necessário à validade de ônus reais gravados nos bens imóveis”.

Diante disso, o relator decidiu que “não se afigura possível impor ao adquirente de boa-fé, como é o caso da Caixa, que suporte sozinho o prejuízo de perder o bem dado em garantia, notadamente quando existiu uma omissão do real estado civil de quem se beneficiou do empréstimo no ato da contratação”.

Votação unânime.

Processo n: 0033382-51.2016.4.01.3300

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais

Empresa é condenada em danos morais e materiais por não ter afastado empregada gestante do trabalho presencial, durante a pandemia

Tribunal Regional da 11ª Região reconhece culpa recíproca entre empregadora e trabalhadora gestante, vítima fatal da COVID-19, que apesar de ter sido imprudente ao não usar máscara protetiva em diversas situações, foi obrigada a executar atividades laborais presenciais, mesmo diante da legislação que proíbe tal situação, contraindo, assim, o vírus. Destaca-se que há Projeto de Lei em trâmite no Senado Federal com o objetivo de regulamentar o assunto de forma mais adequada.

Leia mais
discriminatória

Dispensa imotivada de portadora de câncer foi reconhecida como discriminatória pelo TRT da 2ª Região

A 15ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, reconheceu como dispensa de caráter discriminatório, uma rescisão de contrato de trabalho na modalidade imotivada de uma trabalhadora portadora de câncer, cujo tratamento envolveu cirurgia e quimioterapia e um longo período de recuperação, e que teve o contrato rescindido logo após o retorno do afastamento previdenciário, que se prolongou por mais de 2 (dois) anos.

Leia mais