Plataforma digital para serviços públicos aguarda sanção do executivo

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Aguarda sanção presidencial o Projeto de Lei nº 317/2021, de autoria do deputado Alexandre Molon (PSB/RJ), aprovado pelo congresso em 25/02/2021. O PL dispõe sobre os princípios, regras e instrumentos para instituição de mecanismos que visem ganho na eficiência da administração pública, permitindo a desburocratização por intermédio de inovações digitais e maior participação do cidadão, além de trazer alterações para a Lei de Acesso à Informação (Lei nº 12.527/2011).

Nesse sentido, o dispositivo legal pretende instituir plataforma digital em que seja possível o acesso às informações e serviços públicos, possibilitando ao cidadão maior agilidade e comodidade. Entre as diretrizes legais destaca-se o compromisso para que tal sistema utilize linguagem clara e compreensível, seja acessível por dispositivos móveis e contenha navegação intuitiva, com o objetivo de abranger a universalidade dos cidadãos.

Pela plataforma, poderão ser solicitados diversos tipos de documentos como atestados e certidões, que serão emitidos virtualmente sem que se perca, é claro, sua validade legal, já que serão assinados eletronicamente. 

A proposta faz parte dos esforços da Estratégia Nacional do Governo Digital, em vigor desde  dezembro passado por meio do Decreto nº 10.332/2020, garantindo-se, inclusive, a gratuidade dos serviços em questão.

Contudo, ainda que avanços tenham sido notados nos últimos tempos – tendência que se acentuou em decorrência da pandemia e do consequente isolamento social – é importante destacar que estamos longe do cenário de desburocratização que se pretende.

Ponto importante é que para o pleno funcionamento da plataforma deverá haver comunicação de dados entre os diversos sistemas informatizados dos órgãos públicos do país, algo ainda sem previsão de implementação.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Depressão

Depressão não é reconhecida como doença de origem ocupacional pelo TST

O Tribunal Superior do Trabalho reverteu decisão que havia considerado a responsabilidade objetiva de uma companhia aérea e reconhecida como doença de ordem ocupacional, o quadro depressivo desenvolvido pela trabalhadora enquanto exercia o cargo de comissária de bordo. A decisão se sustentou nas provas contidas nos autos, uma vez que o laudo pericial específico não identificou o nexo de causalidade entre a doença alegada e as atividades desempenhadas, muito menos a incapacidade laboral da trabalhadora.

Leia mais
Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais