GARANTIDOR HIPOTECÁRIO DEVE PERMANECER NO POLO PASSIVO DA EXECUÇÃO

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

O Superior Tribunal de Justiça, no julgamento do recurso especial nº 1914274/DF, reafirmou o entendimento daquela Corte no sentido de que o terceiro que prestou garantia real deve ser incluído no polo passivo da execução.

O caso trata de execução fundada em duplicatas e cessão de direito, e para o Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios, o rito da execução não comporta inclusão no polo passivo de terceiro que não consta na duplicata, tendo em vista que o credor desistiu da cobrança do contrato de cessão de direito em que o terceiro figurou como interveniente hipotecante.

Por sua vez o STJ consignou que o interveniente garantidor deve sim integrar o polo passivo da demanda, por “ser indispensável que o garantidor hipotecário figure como executado para que a penhora recaia sobre o bem dado em garantia, porquanto não é possível que a execução seja endereçada a uma pessoa, o devedor principal, e a constrição judicial atinja bens de terceiro, no caso, o garantidor hipotecário“.

O relator ministro Marco Aurélio Bellizze ressaltou que a decisão do TJ/DF não observou o entendimento firmado pelo STJ, motivo pelo qual deu provimento ao recurso do credor para reformar a decisão do Tribunal de origem e consequentemente incluir o garantidor hipotecário no polo passivo da execução de título extrajudicial.

A íntegra do acórdão poderá ser acessado no site do STJ (https://www.stj.jus.br/sites/portalp/Inicio), processo nº 2020/0349589-0, decisão disponibilizada no DJE em 12.02.21.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Projetos sociais

Projetos sociais nas empresas: impactos e alternativas de regulamentação

Muitas empresas exercem ou querem exercer ações sociais de cunho filantrópico, utilizando dos seus próprios serviços e produtos para irem além dos aspectos econômicos, com projetos que beneficiam o meio ambiente, agricultores e trabalhadores rurais e que impactam diretamente comunidades e instituições que necessitam de amparo.
Contudo, apesar das práticas sociais estarem ligadas aos valores de determinadas empresas, a sua estruturação requer bastante cautela e apoio jurídico para que não haja impactos trabalhistas, empresariais e tributários que possam, muitas vezes, desacelerar ou até mesmo impossibilitar esse compromisso com a sociedade.

Leia mais
Marco Legal

Câmara aprova MP que cria marco legal da securitização

Foi aprovada pela Câmara dos Deputados no dia 15 de junho de 2022, a medida provisória editada em março pelo governo federal que cria, atualiza e define regras para securitização dos direitos creditórios (conversão de créditos a receber em títulos a serem comercializados) e, também, cria a Letra de Risco de Seguro.

Leia mais