Inserção de assinatura escaneada não confere validade jurídica a documentação

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Muitas empresas na intenção de conferir rapidez na formalização dos documentos, optam por escanear as assinaturas, copiar e colar em outros arquivos. Contudo, essa prática não é recomendada e muito menos válida pelo ordenamento jurídico, justamente por ser uma mera “cópia” sem conferir autoria e autenticidade ao documento.

Assim como diversas decisões administrativas e judiciais neste sentido, recentemente a 1ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho de Goiás, em análise do recurso de agravo de petição, por unanimidade, não conheceu dos recursos em decorrência da irregularidade nas procurações outorgadas pelos sócios da empresa Reclamada.

As procurações continham assinaturas digitalizadas dos representantes da pessoa jurídica e no entendimento do Tribunal “o instrumento procuratório produzido mediante assinatura digitalizada não é considerado válido no mundo jurídico, na medida em que se trata de mera cópia da firma escaneada, acarretando, desse modo, a irregularidade de representação processual”.

Com isso, fica o alerta para a não utilização de assinatura escaneada, seja qual for o documento, pois além de incorrer no risco de fraude nas relações comerciais, o documento não possui qualquer efeito e validade jurídica.

Decisão do TRT 18ª Região, processo 0010200-65.2018.5.18.0016, 1ª Turma, relator Welinton Luis Peixoto, publicada em 01.02.2021.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Depressão

Depressão não é reconhecida como doença de origem ocupacional pelo TST

O Tribunal Superior do Trabalho reverteu decisão que havia considerado a responsabilidade objetiva de uma companhia aérea e reconhecida como doença de ordem ocupacional, o quadro depressivo desenvolvido pela trabalhadora enquanto exercia o cargo de comissária de bordo. A decisão se sustentou nas provas contidas nos autos, uma vez que o laudo pericial específico não identificou o nexo de causalidade entre a doença alegada e as atividades desempenhadas, muito menos a incapacidade laboral da trabalhadora.

Leia mais
Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais