A busca pela proteção dos dados pessoais diante dos recorrentes vazamentos (ou incidentes) no Brasil

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

A Secretaria Nacional do Consumidor (SENACON), que foi criada no ano de 2012 e atualmente integra o Ministério da Justiça brasileiro, possuindo como principais objetivos a garantia da proteção e exercício dos direitos dos consumidores; a promoção da harmonização nas relações de consumo; o incentivo a integração e a atuação conjunta dos membros do Sistema Nacional do Consumidor, bem como a participação em fóruns, comissões, comitês nacionais e internacionais que visam discutir melhores condições para a proteção e defesa dos consumidores, inclusive em assuntos de interesses reflexos, resolveu agir diretamente na tentativa de entender e proteger os direitos dos consumidores que foram e/ou poderão ser afetados em decorrência dos recentes vazamentos de dados pessoais em massa ocorridos no Brasil.

Assim, além de investigar detalhadamente os efetivos incidentes de dados pessoais ocorridos, como por exemplo os dados que foram vazados e há sérias suspeitas de as maiores operadores de telefonia móvel do País, bem como o Serasa Experian estarem envolvidos, a SENACON, no pleno uso de suas atribuições, está negociando com a Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD), um Acordo de Cooperação Técnica (ACT) com o objetivo de criar mecanismos ainda mais sólidos de proteção aos dados pessoais dos consumidores.

Sempre bom lembrar que, de acordo com a legislação pátria, a ANPD é o órgão da Administração Pública responsável por zelar, implementar e fiscalizar o cumprimento da LGPD em todo o território nacional, seja para fins comerciais ou legais.

Assim, a notícia desta interação entre a SENACON e a ANPD é extremamente positiva, inclusive em decorrência do fato de a ANPD não estar integralmente estruturada, uma vez que, se firmado o Acordo de Cooperação Técnica pretendido entre os órgãos, se ampliarão as possibilidades de garantia à segurança jurídica aos agentes de tratamento de dados quando da uniformização de entendimentos, bem como aos próprios titulares de dados, que terão, inclusive, os respectivos direitos garantidos não só quanto a proteção dos dados, como também às garantias e consequências advindas de inoportunos incidentes de dados.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Depressão

Depressão não é reconhecida como doença de origem ocupacional pelo TST

O Tribunal Superior do Trabalho reverteu decisão que havia considerado a responsabilidade objetiva de uma companhia aérea e reconhecida como doença de ordem ocupacional, o quadro depressivo desenvolvido pela trabalhadora enquanto exercia o cargo de comissária de bordo. A decisão se sustentou nas provas contidas nos autos, uma vez que o laudo pericial específico não identificou o nexo de causalidade entre a doença alegada e as atividades desempenhadas, muito menos a incapacidade laboral da trabalhadora.

Leia mais
Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais