LGPD: ANPD publica portaria que torna pública a sua agenda regulatória para o biênio 2021-2022

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

A Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD), agente público fiscalizador do cumprimento da legislação de proteção de dados pessoais, publicou na última semana de janeiro a Agenda Regulatória do biênio 2021-2022 por meio da Portaria nº 11/2021.

A Agenda elencou dez temas prioritários na área de proteção de dados, definiu seus níveis de prioridade e previsão para o início da atividade regulatória de cada um.

O desenvolvimento geral das ações foi dividido em três fases, sendo a primeira iniciada até o 2º semestre de 2021, a segunda iniciada até o 1º semestre de 2022 e a terceira iniciada até o 2º semestre de 2022. O cronograma prevê, ainda, relatórios semestrais de acompanhamento das ações da Agenda.

Com o intuito de contribuir com o processo de adequação por parte dos agentes de tratamento de dados, a medida é vista como uma iniciativa de grande importância e substancialmente positiva.

A divulgação da Agenda deve facilitar a possibilidade de estruturação de estratégias adequadas ao cronograma adotado pela Autoridade, permitindo um cenário de maior previsibilidade e segurança nas ações por parte dos agentes de tratamento.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais

Empresa é condenada em danos morais e materiais por não ter afastado empregada gestante do trabalho presencial, durante a pandemia

Tribunal Regional da 11ª Região reconhece culpa recíproca entre empregadora e trabalhadora gestante, vítima fatal da COVID-19, que apesar de ter sido imprudente ao não usar máscara protetiva em diversas situações, foi obrigada a executar atividades laborais presenciais, mesmo diante da legislação que proíbe tal situação, contraindo, assim, o vírus. Destaca-se que há Projeto de Lei em trâmite no Senado Federal com o objetivo de regulamentar o assunto de forma mais adequada.

Leia mais