TST decide sobre o cômputo de horas in itinere

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Em linhas gerais, as horas in itinere são aquelas utilizadas pelo trabalhador para realizar o itinerário residência – local de trabalho e vice-versa.

Até meados de novembro de 2017, a CLT estabelecia que o tempo gasto pelo empregado para se deslocar da sua residência até o local da efetiva prestação de serviços não integrava a jornada de trabalho diária, com exceção do trajeto realizado sob fornecimento de condução pelo empregador para o deslocamento até local de difícil acesso ou não servido pelo transporte público.

Muitas empresas, especialmente as da cadeia do agronegócio e aquelas estabelecidas às margens de rodovias, possuíam custo maior com o pagamento de horas extras e reflexos deste tempo de deslocamento, sendo o assunto tratado recorrentemente em Acordos Coletivos de Trabalho com os Sindicatos competentes.

A Reforma Trabalhista, entretanto, deu fim a este direito e estabeleceu que o referido tempo utilizado para a chegada ou retorno do trabalho, ainda que em transporte fornecido pelo empregador, não será computado na jornada de trabalho diária.

A 5ª Turma do TST entendeu que as horas in itinere são devidas até o início da vigência da Lei 13.467/2017, isto é, 11.11.2017, sendo que a partir daí este tempo não deverá ser computado na jornada de trabalho.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Depressão

Depressão não é reconhecida como doença de origem ocupacional pelo TST

O Tribunal Superior do Trabalho reverteu decisão que havia considerado a responsabilidade objetiva de uma companhia aérea e reconhecida como doença de ordem ocupacional, o quadro depressivo desenvolvido pela trabalhadora enquanto exercia o cargo de comissária de bordo. A decisão se sustentou nas provas contidas nos autos, uma vez que o laudo pericial específico não identificou o nexo de causalidade entre a doença alegada e as atividades desempenhadas, muito menos a incapacidade laboral da trabalhadora.

Leia mais
Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais