MPT lançará guia prático com orientações às empresas acerca da COVID-19

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Recentemente, foi divulgado que o MPT lançará guia prático com orientações às empresas acerca da COVID-19. Haverá a menção acerca da possibilidade de rescisão contratual por justa causa do empregado, se este, devidamente conscientizado sobre a importância da vacinação frente ao bem coletivo que gerará, ainda assim, e sem fundamento para tanto, mantiver a negativa quanto ao processo imunizatório.

O que se extrai deste posicionamento, muito embora o documento do MPT ainda não tenha sido oficialmente divulgado?

Primeiramente, há de se observar que o STF já evidenciou que o Estado poderá determinar aos cidadãos a obrigatoriedade à submissão ao processo de vacinação contra a COVID-19, o que nos leva a crer que o bem coletivo prevalecerá sobre o direito individual.

Em paralelo, se fará necessário a atenção ao bom senso quanto à necessidade de conscientização dos empregados acerca da importância da imunização e os efeitos que esta trará coletivamente, bem como a manutenção de boas condições de trabalho com o respeito às medidas protocolares que auxiliam na não disseminação do vírus.

Se ainda assim, determinado empregado se negar a tomar a vacina, sem apresentar qualquer fundamento lógico para tal, cremos que o empregador poderá, sim, rescindir o contrato por justa causa obreira.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Depressão

Depressão não é reconhecida como doença de origem ocupacional pelo TST

O Tribunal Superior do Trabalho reverteu decisão que havia considerado a responsabilidade objetiva de uma companhia aérea e reconhecida como doença de ordem ocupacional, o quadro depressivo desenvolvido pela trabalhadora enquanto exercia o cargo de comissária de bordo. A decisão se sustentou nas provas contidas nos autos, uma vez que o laudo pericial específico não identificou o nexo de causalidade entre a doença alegada e as atividades desempenhadas, muito menos a incapacidade laboral da trabalhadora.

Leia mais
Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais