Do legítimo interesse do controlador para embasar o tratamento de dados

Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

A última base que falaremos nesta série de posts é a que se refere à possibilidade de tratamento de dados pessoais quando necessário para atender aos interesses legítimos do controlador ou de terceiro.

Não existe um conceito claro e objetivo para esta base, entretanto, é importante esclarecer que o interesse discutido não é do titular dos dados pessoais, e sim do controlador ou terceiro. Apesar disso, não pode ser considerado como um cheque em branco que legitimará todo e qualquer tratamento que seja de interesse do controlador.

O que conseguimos estabelecer até o momento é que haverá interesse legítimo do controlador quando a finalidade da coleta e do tratamento for lícita, adequada, proporcional e se justificar em situações concretas, como por exemplo, para apoiar promoção de suas atividades ou quando trouxer algum tipo de proteção aos direitos do titular ou benefícios no que se refere à relação de prestação de serviços entre as partes, desde que não haja violação aos direitos e liberdades fundamentais do respectivo titular.

A ação de uma empresa (e-commerce) que estabelece mecanismos de prevenção à fraude digital é um exemplo de legítimo interesse, assim como o envio de e-mail com promoções de produtos a uma lista de clientes ativos do controlador.

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESSAS PUBLICAÇÕES

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal estabelece a taxa SELIC como a correta para atualizar os débitos trabalhistas

O Supremo Tribunal Federal acabou com a celeuma que permeava o tema relativo ao regular e válido indíce de correção monetário a ser utilizado para a atualização e correção dos débitos trabalhistas. Com a decisão, o STF, enfim, estabeleceu que o referido indice a ser utilizado na seara trabalhista é a taxa SELIC, reputando inconstitucional e inválida a utilização da TR e do IPCA-E.

Leia mais

Empresa é condenada em danos morais e materiais por não ter afastado empregada gestante do trabalho presencial, durante a pandemia

Tribunal Regional da 11ª Região reconhece culpa recíproca entre empregadora e trabalhadora gestante, vítima fatal da COVID-19, que apesar de ter sido imprudente ao não usar máscara protetiva em diversas situações, foi obrigada a executar atividades laborais presenciais, mesmo diante da legislação que proíbe tal situação, contraindo, assim, o vírus. Destaca-se que há Projeto de Lei em trâmite no Senado Federal com o objetivo de regulamentar o assunto de forma mais adequada.

Leia mais
discriminatória

Dispensa imotivada de portadora de câncer foi reconhecida como discriminatória pelo TRT da 2ª Região

A 15ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, reconheceu como dispensa de caráter discriminatório, uma rescisão de contrato de trabalho na modalidade imotivada de uma trabalhadora portadora de câncer, cujo tratamento envolveu cirurgia e quimioterapia e um longo período de recuperação, e que teve o contrato rescindido logo após o retorno do afastamento previdenciário, que se prolongou por mais de 2 (dois) anos.

Leia mais